Champions League

[Vídeo] A cena mais bonita da final: Carrasco comemora o gol beijando a namorada

Yannick Ferreira-Carrasco sabia: aquele poderia ser o jogo de sua vida. Nunca o belga entrara em campo diante de tamanhas expectativas. Nunca o meia de 22 anos atuara em uma partida com a grandeza da final da Champions. Saiu do banco de reservas no intervalo, com a missão de dar novo ânimo ao Atlético de Madrid após o péssimo primeiro tempo. Vinha para mudar a postura da equipe, substituindo o volante Augusto Fernández. E, ainda que o desfecho não tenha sido o mais feliz para os colchoneros, Carrasco deixou uma imagem para a posteridade: a comemoração do gol que deu sobrevida ao Atleti.

Mesmo jogando 45 minutos a menos do que a maioria, o jovem terminou a decisão como um dos melhores em campo. E não apenas pelo gol na segunda etapa, completando o cruzamento de Juanfran. O camisa 21 ajudou a bagunçar a defesa do Real Madrid pelo lado esquerdo, combinando qualidade técnica e velocidade. Demorando a se encontrar no jogo, Danilo teve sérios problemas para marcar o belga. Suas tentativas, porém, não acabaram em gol. Foi menos herói do que poderia ou do que gostaria.

E se a partida esteve distante de ser bonita, Ferreira-Carrasco brindou a todos com aquela que provavelmente é a comemoração mais bela da história das finais de Champions. O beijo em sua namorada possui uma força imensa. Um jeito emblemático e até mesmo natural de representar o grande gol de sua carreira. A cena fala por si:

Conheça o Trivela FC! O clube de relacionamento da Trivela para você marcar um golaço pelo jornalismo independente.

Mais Champions:

Jogo não fez jus ao gigantesco feito do Real Madrid: 11 vezes campeão da Europa

O guia da final da Champions: leia todas nossas matérias sobre Real Madrid x Atlético de Madrid

San Siro para o Milan e Giuseppe Meazza para a Inter? Desmentimos esse mito

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo