Champions League

Buffon fala em nova chance para ganhar a Champions, mas sabe é difícil

O currículo repleto de Gianluigi Buffon parece estar fadado a terminar sem uma Champions League. Campeão do mundo pela Itália em 2006, ele já levou o título da Copa da Uefa pelo Parma, oito italianos e quatro Copas da Itália. Conquistar a Europa, porém, parece que não é com ele. Na sua melhor chance de ganhar uma Eurocopa, foi vice-campeão, em 2012, contra a Espanha. E pela terceira vez, é vice-campeão da Champions League pela Juventus, depois da derrota para o Real Madrid no último sábado. Aos 39 anos, ele diz que há mais uma chance, mas admite que será difícil que a Juventus repita o desempenho desta temporada.

LEIA TAMBÉM: O trabalho sem a bola, um dos pontos fortes da Juventus, fraquejou justamente na final

“Foi uma grande decepção, porque nós pensamos que fizemos tudo que era necessário para jogar esta final e finalmente vencer”, disse Buffon à Mediaset Premium. “Nós fizemos um excelente primeiro tempo, quando causamos grande problemas ao Real Madrid, então nos deixa de boca aberta em choque que todos os incidentes nunca vão para o nosso lado. É decepcionante”, afirmou o goleiro.

“Evidentemente que para ganhar um troféu como esse você precisa ser mais forte que as adversidades”, afirmou o goleiro. “Eu acho que tivemos uma boa estratégia no primeiro tempo, não dando ao Real Madrid nenhuma vantagem, e nós corremos muito. Talvez nós tenhamos corrido um pouco demais e não tiramos o melhor da vantagem em campo. É decepcionante”, continuou. “No segundo tempo, a categoria, força deles e como eles estão acostumados a ganharem este jogos acabaram  prevalecendo. Eles venceram merecidamente”, disse Buffon.

Aos 39 anos, esta era vista como a última chance de Buffon conquistar o título da Champions. O próprio goleiro, porém, diz que ainda terá mais uma chance – mesmo que esta, talvez, tenha sido a melhor oportunidade da carreira para levantar a taça.

“Eu ainda tenho um ano no meu contrato, então isso significa que eu tenho mais uma chance de ganhar a Champions League”, afirmou o goleiro à Sky Sports Italia. “Certamente será difícil ir melhor do que nesta temporada, porque fizemos algo realmente incrível nesta temporada”, disse ainda o camisa 1, titular da Juve e da seleção italiana. “Infelizmente, não conseguimos”.

É bem possível que a próxima temporada seja a última de Buffon. Ele almeja chegar bem à Copa do Mundo para fazer uma grande campanha com a Itália – algo que a Azzurra não conseguiu nas duas últimas Copas, caindo ainda na primeira fase. Tem, portanto, mais uma chance de título na Champions.

Só que Buffon também tem razão em dizer que será difícil repetir o desempenho. A Juventus chegou muito bem à final da Champions nesta temporada, tendo conquistado o título italiano e a Copa da Itália e, mais do que isso, com um bom futebol, coletivamente funcionando bem e com jogadores em boa fase. A Juventus segue como um time muito forte e o próprio técnico Massimiliano Allegri disse que tanto Buffon quanto Barzagli estarão na equipe na próxima temporada. Sonhar em chegar novamente é possível. Assim como Pirlo chorou na final da Champions de 2015, mesmo já tendo este título no currículo, imagine só Buffon, que não tem.

Mais sobre a final da Champions:

O 12º título do Real Madrid aumenta domínio da Espanha na Champions: 17 taças

Juventus tem maior faturamento na Champions graças a direitos de TV: € 109 milhões

Podcast Trivela especial: Real Madrid bicampeão da Champions League

Marcelo termina temporada com 14 assistências, melhor marca da sua carreira pelo Real

Casemiro é o 10º brasileiro a marcar na final da Champions League; relembre os outros

Em sua quarta Champions, Cristiano Ronaldo tem sua final mais grandiosa: decisivo e letal

O trabalho sem a bola, um dos pontos fortes da Juventus, fraquejou justamente na final

Allegri não soube reagir ao jogo e viu a Juventus derreter diante do Real Madrid

Zidane: um bicampeão europeu discreto e muito eficiente

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo