Europa

Antes de abraçar a morte, ele queria ver o Brugge pela última vez e teve um dia inesquecível

Lorenzo Schoonbaert, 41 anos, sabia que morreria. Bom, todos sabem, no fundo, mas a sua partida era iminente. Havia passado por 37 operações nos últimos 20 anos para curar um câncer e os médicos já haviam desistido. Ele também. Marcou a eutanásia, permitida pelas leis liberais da Bélgica, mas não conseguiu seguir em frente sem uma última visita ao lugar onde provavelmente mais foi feliz. Precisava assistir a mais uma vitória do Club Brugge no estádio Jan Breydel.

LEIA MAIS: O Feyenoord deu o melhor adeus que um homem pode ter

Schoonbert escreveu no Facebook: “Esse é o meu maior desejo antes de morrer: ver meu time ganhar mais uma partida”. Os jogadores não o decepcionaram e permitiram que ele comemorasse três gols na vitoria por 3 a 0 sobre o Mouscron-Peruwelz. Mas os momentos marcantes transcenderam o jogo.

Ele deu as mãos à filha Dina, de sete anos, e foi até o círculo central. Jogou bola com ela à frente de 20 mil companheiros de lutas e glórias, provavelmente também pela última vez. Apitou o início do jogo e se retirou aos assentos vips, sob os aplausos de todos nos estádio, que ao mesmo tempo cantavam o sempre emocionante hino You Will Never Walk Alone.

A família anunciou no Facebook que Lorenzo Schoonbaert encerrou uma vida de 41 anos de amor pelo Brugge na noite da última segunda-feira. “Ele foi corajoso até o último minuto, tinha tudo sob controle e aproveitou os últimos momentos com as pessoas próximas ao seu coração”, escreve. “Obrigado a todos os fãs do Club por uma ovação inacreditável e emocionante. Obrigado a todos. Vocês nunca caminharão sozinhos”.

Como Schoonbaert nunca caminhou, e depois da partida, deixou claro o quanto aquele dia significou para ele. “Eu estou incrivelmente feliz no momento”, disse. “Será uma memória valiosa para a minha filha, que ela vai aproveitar durante toda a vida. Meu último sonho se realizou. Posso morrer em paz agora. Vou comemorar no céu”.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo