A seleção dos Estados Unidos é a grande favorita na Copa do Mundo, mas viveu o seu primeiro grande desafio nas oitavas de final. Diante de uma boa Espanha, as americanas venceram por 2 a 1, graças a dois gols de Megan Rapinoe, de pênalti, em um jogo que foi muito complicado. A Espanha, um time com um estilo de posse de bola intenso, dificultou a vida das americanas, que não conseguiram trocar passes como gostam. No seu primeiro teste de verdade na Copa, depois de superar com tranquilidade um grupo tranquilo, as americanas viram que será preciso subir de nível para enfrentar seleções melhores – como a França, próxima adversária.

Gols rápidos

Como tem sido habitual nesta Copa, as americanas marcaram no começo do jogo. Logo a sete minutos, em uma jogada de Tobin Heath pela direita, María León a tocou e ela caiu. Pênalti marcado pela árbitra Katalin Kulcsar. Megan Rapinoe, capitã americana, cobrou com precisão e categoria: 1 a 0.

Só que houve algo de inédito: as americanas foram vazadas, pela primeira vez. A goleira Alyssa Naeher cobrou mal um tiro de meta, Lucía García tomou a bola e tocou para Jennifer Hermoso. A habilidosa camisa 10 da Espanha, canhota, dominou a bola e rapidamente puxou para o pé direito e tocou, no ângulo, tirando totalmente do alcance da goleira americana: 1 a 1, aos nove minutos.

Estados Unidos incomodados

Apesar da superioridade americana, o jogo não fluía. As americanas tiveram mais a bola, mas não muito mais. Terminou com 56% de posse de bola, pouco mais que os 44% das espanholas. As americanas, porém, ficaram mais no campo de ataque. Em termos de chances claras, a Espanha criou muito pouco. Mesmo assim, conseguiu se manter no jogo. E, mais importante, não permitiu que o jogo das americanas conseguisse chegar com perigo.

As americanas tinham mantido um índice de acerto de passes sempre acima de 80%. Contra a Espanha, sem conseguir encaixar muitas trocas de passe, especialmente perto da área, as americanas tiveram índice de 76% de acerto. Acima do espanhol (69%), mas abaixo do que vinha conseguindo em jogos que venceu de forma mais dominante.

Pênalti discutido

O jogo permaneceu equilibrado no segundo tempo, com as americanas sentindo a mesma dificuldade da primeira etapa. Só que veio um lance que acabou por ser decisivo: um pênalti de Torrecilla em cima da meio-campista Lavelle. O pênalti foi sutil, mas foi marcado pela árbitra. Ainda houve consulta ao VAR, mas a penalidade foi confirmada. Alex Morgan estava com a bola na mão, mas foi Megan Rapinoe quem ficou com a cobrança e converteu: 2 a 1.

Pressão final

Com a desvantagem no placar, a Espanha saiu mais para o ataque, mas de forma pouco eficiente. Trabalhava a bola e tentava chegar ao gol, mas faltava contundência e mesmo finalizar ao gol. Foram apenas quatro chutes ao gol, sendo um apenas no alvo – o gol de Hermoso. Só que exceto pelo gol, as espanholas não conseguiram agredir as americanas, e tiveram algumas chegadas ao ataque. Nenhuma grande chance e, no final, a vitória americana acabou confirmada.

Jogão pela frente

Com a vitória dos Estados Unidos, está confirmado um duelo muito esperado com a França. Duas das maiores favoritas ao título jogarão na próxima sexta-feira, dia 28, no Parque dos Príncipes, às 16h (horário de Brasília).

Ficha técnica

Espanha 1×2 Estádios Unidos

Local: Stade Auguste-Delaune, em Reims
Árbitra: Katalin Kulcsar (Hungria)
Gols: Megan Rapinoe aos 7’/1T e aos 31’/2T (Estados Unidos), Jennifer Hermoso aos 9’/1T (Espanha)
Cartões amarelos: Irene Paredes Hernández (Espanha), Megan Rapinoe (Estados Unidos

Espanha: Sandra Paños; Marta Corredera, Irene Paredes Hernandez, María León e Leila Ouahabi; Vicky Losada (Najikari Garcia), Virginia Torrecilla Reyes (Mariona) e Patricia Guijarro; Lucía García, Jennifer Hermoso e Alexia Putellas (Andrea Falcón). Técnico: Jorge Vilda

Estados Unidos: Alyssa Naeher; Kelley O’Hara, Abby Dahlkemper, Becky Sauerbrunn e Crystal Dunn; Rose Lavelle (Lindsey Horan), Julie Ertz e Samantha Mewis; Tobin Heath, Alex Morgan (Carli Lloyd) e Megan Rapinoe (Christen Press). Técnica: Jill Ellis