A crônica

Quem esperava um empate de compadres entre Estados Unidos e Alemanha, para classificar sem sustos ambos, não viu exatamente isso. Apesar da partida ruim, os alemães ficaram com a vitória por 1 a 0, com bonito gol marcado por Thomas Müller. A partida foi basicamente um jogo de ataque e defesa, com a Nationalmannschaft empurrando os americanos para a defesa, e os comandados de Jürgen Klinsmann tendo uma atuação ofensiva praticamente nula.

No primeiro tempo, a Alemanha foi bastante superior. Manteve-se no ataque constantemente, teve o domínio da posse de bola e encurralou os Estados Unidos em seu campo de defesa. Apesar de tudo isso, não ameaçou de verdade o gol defendido por Tim Howard. Assim como na etapa inicial do jogo com Gana, a conclusão das jogadas no terço final do campo era muito inócua, e os americanos, que nem estavam com uma marcação tão eficiente assim, conseguiram segurar a bronca.

Apesar de completamente dominado, a seleção americana teve sua melhor oportunidade de gol justamente na primeira etapa. Aos 22 minutos, Jermaine Jones iniciou um contra-ataque rápido no meio de campo, a bola chegou na ponta esquerda para Graham Zusi, e o jogador ajeitou para a perna direita, batendo colocado, com curva, mas por cima do ângulo esquerdo de Manuel Neuer.

Depois disso, não se viu mais os americanos assustando o goleiro alemão. Com o placar sem gols, a proposta dos Estados Unidos era claramente evitar o gol da Alemanha e, quem sabe em um contra-golpe rápido, arrancar um golzinho. O empate diante da Nationalmannschaft já era um resultado grandioso. Mas ele nunca dura tanto quando se tem do outro lado um jogador como Thomas Müller.

Müller nasceu para jogar Copas do Mundo. Aos dez minutos, após cruzamento de Mesut Özil e cabeçada de Per Mertesacker, Howard espalmou mal, para o meio, e o camisa 13 chegou batendo de primeira, de chapa, no canto esquerdo do goleiro, para fazer o único gol do jogo.

Depois disso e diante da pequena possibilidade de perderem a vaga para Gana, que empatava com Portugal no momento, os Estados Unidos se soltaram um pouco mais, mas não o bastante para ameaçarem a vitória da Alemanha. As melhores chances vieram apenas após os 47 minutos da etapa final. O substituto Alejandro Bedoya recebeu a bola na frente do gol e bateu de primeira na bola, mandando-a claramente em direção ao gol. Até que apareceu Philipp Lahm com um carrinho cirúrgico, para interceptar a finalização e evitar o empate. Dempsey, no lance seguinte, aos 48 minutos, cabeceou dentro da pequena área, mandando por cima do gol.

A vitória deixou a Alemanha com a liderança do Grupo F, com sete pontos, e os Estados Unidos ficaram com o segundo lugar, com quatro pontos conquistados. A chave de alemães e norte-americanos se encontra com a do Grupo H, no qual a Bélgica já está classificada e em que Argélia e Rússia disputam com jogo direto a segunda colocação. A maior probabilidade é de que os belgas terminem na liderança, o que colocaria os Diabos Vermelhos como adversários dos americanos. Baseado na partida feita hoje, Klinsmann terá sérios ajustes, de escalação ou não, para fazer se quiser seguir na competição após as oitavas. Quanto aos alemães, nenhum dos potenciais adversários deverá ser problema.

FICHA TÉCNICA

Estados Unidos 0x1 Alemanha

Estados Unidos

Estados Unidos EscudoTim Howard; Fabian Johnson, Omar González, Matt Besler e DaMarcus Beasley; Kyle Beckerman, Jermaine Jones, Graham Zusi (DeAndre Yedlin, 39’/2T), Michael Bradley e Brad Davis (Alejandro Bedoya, 14’/2T); Clint Dempsey. Técnico: Jürgen Klinsmann.

Alemanha

Alemanha escudoManuel Neuer; Jérôme Boateng, Per Mertesacker, Mats Hummels e Benedikt Höwedes; Bastian Schweinsteiger (Mario Götze, 31’/2T), Philipp Lahm e Toni Kroos; Mesut Özil (André Schürrle, 44’/2T), Thomas Müller e Lukas Podolski (Miroslav Klose, intervalo). Técnico: Joachim Löw.

Local: Arena Pernambuco, no Recife

Árbitro: Ravshan Irmatov (UZB)

Gols: Müller, 10’/2T

Cartões amarelos: Höwedes, González e Beckerman

Cartões vermelhos: nenhum

O cara

Thomas Müller
Müller e Klose comemoram o gol da Alemanha
Müller e Klose comemoram o gol da Alemanha

Em um jogo de poucas chances reais de gol, Müller soube aproveitar a ótima oportunidade que teve e marcou um bonito gol para dar a vitória à Alemanha. O ataque alemão não foi tão eficiente, mas não foi por falta de mobilidade de Müller.

Os gols

10’/2T: GOL DA ALEMANHA!

Howard rebate cabeçada, e Thomas Müller pega da entrada da área, de chapa, cruzado, para abrir o placar.

A Tática

Escalações iniciais de Estados Unidos e Alemanha
Escalações iniciais de Estados Unidos e Alemanha

Com uma proposta defensiva e de contra-ataques, os Estados Unidos seguraram seus laterais e apostaram na mobilidade e alternância de posições de seus pontas nos avanços à defesa alemã. Beckerman foi o cabeça de área mais recuado, enquanto Jermaine Jones tinha maior liberdade para atacar. A Alemanha foi para o jogo com um 4-3-3. Lahm foi o volante mais próximo da zaga, e Schweinsteiger e Kroos jogaram mais soltos. No ataque, Özil e Podolski estiveram quase fixos nas pontas, enquanto Müller fez o papel de “falso 9”.

A Estatística

4

Aos 24 anos, Thomas Müller se tornou o quarto jogador mais jovem a chegar a nove gols em Copas do Mundo, atrás de Eusébio, Gerd Müller e Sándor Kocsis.