Samuel Eto’o sempre foi um dos jogadores de futebol mais engajados com a representatividade da África no restante do planeta e com as causas sociais em seu continente. O atacante, inclusive, encabeçou distintas ações da ONU na região. E, depois de pendurar as chuteiras, promete uma contribuição ainda maior aos africanos. A partir de 2020, Eto’o estudará na Harvard Business School. Quer usar seus aprendizados na área de administração justamente para auxiliar o desenvolvimento da África.

“Quero ajudar e fazer uma contribuição positiva à transformação de nosso continente. Quando você é um jogador de futebol, você paga às pessoas para cuidarem de sua carreira e das coisas no geral. Mas quando você decide gerenciar as pessoas e quer desenvolvê-las, você praticamente precisa aprender novas habilidades”, contou Eto’o, ao site Jeune Afrique.

O curso que realizará em Harvard será o seu primeiro passo ao futuro longe dos gramados e deve capacitar Eto’o também a cargos diretivos no futebol: “Em janeiro, começarei os estudos em gestão de negócios na Universidade de Harvard, depois que eles gentilmente me aceitaram para um treinamento especializado. Eu viverei em Boston por quase um ano. Não será fácil, mas é um belo desafio. E, vocês sabem, eu sempre amei me desafiar”. Em julho, Eto’o havia sido nomeado conselheiro especial da Confederação Africana de Futebol, ao lado de Didier Drogba.

Eto’o também possui uma fundação em seu nome. Na carta de apresentação da entidade, o veterano afirma: “O futebol me deu tudo e me vejo na obrigação de corresponder com os meus. Não há nada mais bonito e que me faça mais feliz do que compartilhar com os que estão em apuros. E estou convencido que, graças ao futebol, poderei devolver à minha gente uma parte do que recebi”. O intuito da organização é atuar junto às crianças e aos jovens, principalmente, para promover integração e formação.

Entre as iniciativas da Fundação Samuel Eto’o, há apoio a orfanatos, a crianças em situação de rua, oferta de comida a desabrigados, programas médicos, prevenção do HIV, criação de uma escola, auxílio jurídico, entre outros. Além disso, a entidade encabeça também programas ligados ao futebol. A academia bancada por Eto’o possui convênios com grandes clubes e chegou a levar alguns garotos ao futebol europeu. Goleiros principais da seleção camaronesa, André Onana e Fabrice Ondoa iniciaram no projeto do atacante ainda na década passada.

Agir nunca foi um problema para Eto’o. Ao longo da carreira, o atacante demonstrou uma preocupação notável com questões de bem-estar na África ou mesmo na luta contra o preconceito e o racismo. Os estudos poderão ajudar o veterano a abrir mais os seus caminhos. Craque em diferentes concepções.