A estreia do Real Madrid no Campeonato Espanhol, contra o Getafe, despertava a curiosidade para saber como o time se armaria sem Cristiano Ronaldo no seu primeiro jogo oficial. E como se esperava, Gareth Bale foi o principal jogador do time. Foi decisivo nos dois gols na vitória por 2 a 0, participando do primeiro e marcando o segundo.

LEIA TAMBÉM: André Silva tem estreia de sonho pelo Sevilla: três gols contra o Rayo Vallecano

Além de Bale, o time teve outros jogadores como titulares que chamaram a atenção. O primeiro foi Nacho, que atuou na zaga ao lado de Sergio Ramos e foi muito bem. Como Raphäel Varane ainda está longe da sua melhor forma depois do descanso por ser campeão da Copa do Mundo pela França, foi o espanhol que começou o jogo. No meio-campo, Casemiro e Luka Modric começaram no banco, ainda preservados buscando a melhor condição física. Danni Ceballos e Isco formaram o setor ao lado de Toni Kroos, mais recuado que o habitual.

O ataque teve Marco Asensio aberto pela ponta esquerda, Bale pela ponta direita e Karim Benzema pelo meio. Os três fizeram um bom jogo. Asensio inclusive chegou a acertar a trave no jogo, quase marcando o seu gol. Bale também acertou uma bola na trave. E o primeiro gol saiu aos 20 minutos, com uma movimentação de Bale, que caiu pelo lado esquerdo, fez o cruzamento, o goleiro não conseguiu tirar para longe e o lateral Dani Carvajal, de cabeça, tocou bem e marcou 1 a 0.

O estilo de jogo do time já mostra algumas diferenças em relação ao time de Zinedine Zidane. Com o ídolo francês como técnico, o Real Madrid era um time mais direto, que usava mais a sua velocidade para definir os lances. Com Julen Lopetegui, o time ficou mais tempo com a bola, diminuiu o ritmo e trabalhou com muito mais passes curtos. Toni Kroos, mais acostumado a esse tipo de jogo, foi quem mais fez passes, 119 no total, seguido por Marcelo, com 107. O lateral brasileiro fez um ótimo jogo.

A criação de jogadas não foi nada avassalador, mas o time aproveitou bem. O segundo gol surgiu de um erro na saída de bola de Djené Dakonam, Marco Asensio tomou a bola, foi à linha de fundo e cruzou. Bale pegou de primeira e estufou a rede: 2 a 0, aos seis minutos da segunda etapa. Com o jogo controlado, e com muita posse de bola, o Real Madrid se desgastou pouco. Teve o controle da partida e passou a gastar o tempo assim.

Lopetegui ainda colocou em campo Casemiro, no lugar de Isco, Luka Modric, no lugar de Ceballos, e Lucas Vázquez, no lugar de Bale. O público no estádio Santiago Bernabéu ficou abaixo da média do Real Madrid, 48.446 pessoas. A média do clube é de pouco mais de 55 mil pessoas por partida, em um estádio que tem capacidade para 81.044 pessoas. Segundo Mister Chip, é o pior público do Real Madrid em quase uma década. Para achar um público pior que esse, só em 24 de maio de 2009, contra o Mallorca, que teve 44.270 presentes. Curiosamente, o último jogo antes de Cristiano Ronaldo ser contratado, em julho daquele ano. No primeiro jogo no Bernabéu depois da sua saída, uma marca histórica.

Sem Cristiano Ronaldo, o Real Madrid será diferente. Com Lopetegui, o time tende a ser bastante diferente também. Terminou o jogo com 78% de posse de bola, algo que não era tão característico até a temporada passada. O número de chutes, só 10, com apenas três no alvo, é o ponto negativo. A posse de bola dominante não significou um número proporcional de chutes e de chances. Os primeiros indícios desse novo Real Madrid apontam para Bale.