Juan Arango é daqueles jogadores para serem apreciados na Copa Libertadores de 2017. O recordista em jogos e gols pela seleção venezuelana sempre teve uma capacidade técnica acima da média. Acumulou boas passagens por clubes mexicanos, brilhou pelo Mallorca, foi idolatrado no Borussia Mönchengladbach. Neste ano, após uma breve estadia no New York Cosmos, retornou a sua terra natal, para defender o Zulia. Enfim, ganha a chance de disputar a principal competição de clubes da América do Sul, após tanto se destacar nas Eliminatórias e na Copa América. E já apronta das suas.

Na estreia contra a Chapecoense, Arango foi o melhor jogador do Zulia. Não conseguiu a vitória, mas marcou o seu primeiro gol e deu trabalho à defesa catarinense, exigindo uma grande defesa de Artur Moraes nos minutos derradeiros. E, nesta quarta, o meio-campista de 36 anos deu um passe de mágica, que garantiu o triunfo por 1 a 0 sobre o Nacional em Montevidéu. Uma assistência fabulosa, completada também pelo excelente domínio de Jefferson Savarino – camisa 10 de 20 anos que se destacou na última liga nacional e merece atenção. O capitão ainda ganhou o prêmio de melhor em campo na noite. Ótimo resultado, possibilitado pelos talentos do passado e do futuro à seleção venezuelana.