Este fanático pelo Mauaense mostrou que torcedor de verdade vira até massagista se preciso

Luiz Gustavo Folego, de 33 anos, era o único torcedor presente no jogo e, diante da ausência do massagista, se apresentou para o serviço

O fanatismo de um torcedor de clube pequeno é coisa praticamente incontestável. Ele não está lá pelas glórias ou atraído por um time de futebol vistoso e de grande elenco. É realmente coisa da ligação com suas raízes, seja por admirar a história da agremiação ou por seu vínculo com a cidade em que aquela equipe está. Luiz Gustavo Folego, de 33 anos, por exemplo, poderia torcer por qualquer um dos quatro grandes de São Paulo, mas sua fidelidade pertence mesmo ao Mauaense. Fidelidade tão grande que, aliás, até transformou o bancário em massagista por um dia.

VEJA TAMBÉM: Ele transformou a perda do pai em motivação para se tornar o goleiro mais jovem do Brasil

O Mauaense não tem uma torcida grande. Portanto, é natural que um maluco que siga a equipe em basicamente todos os jogos, viajando para assistir às partidas como visitante, seja conhecido de todos no clube. É o caso de Luiz Gustavo, que desde a adolescência acompanha o time de Mauá. Para o jogo deste fim de semana contra o Jabaquara, em Santos, pela quarta divisão do Paulistão, o torcedor iria sozinho até o Estádio Espanha, então decidiu dar uma ligada para o presidente do time, para ver se arrumava uma carona, evitando a viagem de ônibus. O mandatário o convidou para ir com ele de carro, mas quando chegou ao clube um imprevisto mudou os planos de Luiz.

“Fui até lá, era bem cedo. O pessoal estava embarcando e então todos perceberam que o massagista não tinha aparecido”, conta o torcedor à Trivela. O Mauaense não poderia depender apenas da sorte de torcer para que nenhum jogador se contundisse durante o duelo, então teve de recorrer à única alternativa que havia. “Como só tinha eu de torcedor, fizeram o convite (para ser o massagista)”. Luiz Gustavo não é de deixar o time na mão e ao longo dos seus anos como torcedor do Mauaense já fez até preleção para a equipe.

O fanático pela Locomotiva então foi designado pelo clube, que consultou com a Federação Paulista de Futebol a possibilidade, e seu nome apareceu na súmula do jogo, um registro do dia em que sua paixão foi posta à prova com a possibilidade de ter que desempenhar uma função com a qual nem todo o mundo estaria confortável. Sem experiência nenhuma com aquele cargo, tudo o que o torcedor pôde fazer foi torcer para que nenhum problema surgisse durante o jogo. Para sua sorte, nenhuma entrada mais dura deixou algum atleta do Mauaense precisando de atendimento, e o máximo que aconteceu foi o goleiro pedir um pouco de gelo durante o intervalo.

Luiz Gustavo foi o único torcedor que assistiu ao vivo ao jogo que acabou com as chances de classificação do Mauaense. A derrota de virada, por 2 a 1, deixou a equipe a quatro pontos do primeiro classificado para a próxima fase da quarta divisão paulista, com apenas uma partida restante. O torcedor acha que a campanha já foi satisfatória, chegando à penúltima rodada ainda com chances de avançar, mas acredita que com um pouco mais de apoio o clube poderia ter chegado um pouco mais longe. E se tem alguém com propriedade para cobrar mais apoio esse é o cara que se dispôs a massagear os atletas do seu time.