A Primavera Árabe lutou por várias liberdades nos países do norte da África. No entanto, os conflitos civis também culminaram em algumas limitações à sociedade. E, dentro deste contexto, o futebol também foi afetado. Os campeonatos nacionais de Egito e Líbia foram suspensos. Já na Tunísia, por conta das tensões nas ruas, os portões ficaram fechados para os torcedores. O que levou o Hammam-Lif, clube tradicional do país, a uma ideia sensacional para sentir o calor de seus torcedores e escapar do rebaixamento.

VEJA TAMBÉM: Campo de society no Rio é iluminado com energia gerada por jogadores

Dono de quatro títulos tunisianos, o Hammam-Lif foi para a penúltima rodada da temporada 2012/13 ameaçado pelo descenso. Jogaria em casa contra o Stade Tunisien precisando da vitória de qualquer maneira. Foi então que uma iniciativa genial fez com que o time fosse empurrado pela torcida, mesmo com o estádio vazio. Quarenta caixas de som foram espalhadas ao redor do gramado. E os torcedores foram orientados a baixar um aplicativo, em que poderiam simular sons característicos das arquibancadas através de um clique e transmiti-los ao campo – com direito a gritos, aplausos, cornetas e tambores.

Deu certo. O barulho motivou o Hammam-Lif a vencer o jogo por 1 a 0, resultado que acabou sendo suficiente para se salvar, apesar da derrota na última rodada. Afinal, os 18 mil lugares do Stade Chedly-Zouiten serem ampliados para 93,1 mil, graças aos torcedores que davam o apoio através dos celulares. Uma atmosfera impressionante, criada na limitação, mas que ajudou clube a cumprir o seu objetivo.

Neste ano, o aplicativo ‘Mobilizing The 12th Man’ recebeu o Clio Sports Awards, reconhecida premiação de marketing americana. Nem precisava. A permanência do Hammam-Lif e a alegria dos torcedores já foi o suficiente para mostrar o quanto a iniciativa deu certo.