O tiki-taka coloca a Espanha como melhor seleção entre as principais estatísticas relacionadas à posse de bola e aos passes. O time de Vicente Del Bosque permaneceu 65,2% do total do tempo com a bola nos pés e, desta parcela, 32% no campo de ataque. A Fúria ainda contabilizou média de 664 passes curtos por jogo – uma marca bastante superior aos 588 registrados na Copa do Mundo de 2010.

No ataque, a falta de objetividade reclamada teve sentido: os espanhóis tocaram 39,7 vezes a bola a cada finalização. Em compensação, o time prezou bastante pela precisão nestes arremates. Do total, 61% das conclusões foram dadas de dentro da área e 41% seguiram na direção da meta adversária. E, por permanecer mais tempo no campo do adversário, foi a seleção que mais sofreu faltas (total de 103) e que mais driblou (total de 56).

A defesa da Fúria também fez excelente trabalho de uma maneira geral, sendo a equipe que menos permitiu que os adversários finalizassem. Ainda que não apareçam entre os líderes nos fundamentos, os campeões foram os que mais combinaram desarmes e interceptações por chute sofrido. Foram quatro bolas roubadas a cada arremate dos rivais.

E em uma competição na qual as cabeçadas foram tão letais, a Espanha também mostrou seu valor pelo alto. O time é o segundo com mais bolas aéreas ganhas por cruzamento ou lançamento que fez, perdendo apenas para a Suécia.

Gols marcados

1º – Espanha – 12
2º – Alemanha – 10
3º – Portugal – 6
3º – Itália – 6

Posse de bola

1º – Espanha – 65,2%
2º – Rússia – 59,3%
3º – Alemanha – 58,6%

Mais posse de bola no campo do adversário

1º – Alemanha – 34%
2º – Espanha – 32%
3º – França – 29%
3º – Portugal – 29%

Finalizações por jogo

1º – Holanda – 20
2º – Rússia – 19,7
3º – Itália – 18,3

Finalizações certas

1º – Suécia – 43%
2º – Espanha – 41%
3º – Alemanha – 40%
3º – Croácia – 40%

Finalizações de dentro da área

1º – Croácia – 62%
2º – Espanha – 61%
3º – Holanda – 57%
3º – Inglaterra – 57%
3º – Alemanha – 57%

Passes por finalização

1º – Portugal – 20,3
1º – Polônia – 20,3
2º – Holanda – 23,7
3º – Rússia – 24,7

Passes curtos por jogo

1º – Espanha – 664
2º – Alemanha – 521
3º – Rússia – 487

Aproveitamento nos passes

1º – Holanda – 88,7%
2º – Espanha – 88,5%
3º – Alemanha – 87,5%

Lançamentos por jogo

1º – Ucrânia – 82
2º – Irlanda – 65
3º – Dinamarca – 62

Enfiadas de bola por jogo

1º – Espanha – 15
2º – Rússia – 8
3º – Holanda – 7

Cruzamentos por jogo

1º – Portugal – 26
2º – Croácia – 25
2º – Alemanha – 25
3º – Holanda – 23
3º – Polônia – 23

Chutes sofridos por jogo

1º – Espanha – 8,3
2º – França – 9,5
3º – Portugal – 10,2

Desarmes por jogo

1º – Polônia – 22,3
2º – Ucrânia – 21,7
2º – Rússia – 21,7
3º – Inglaterra – 21,5

Interceptações por jogo

1º – Itália – 22,7
2º – Grécia – 21,8
3º – Polônia – 20,7

Bolas aéreas ganhas por jogo

1º – Suécia – 9,3
1º – Irlanda – 9,3
3º – Grécia – 9
4º – Croácia – 8,7

Bolas aéreas ganhas por lançamento + cruzamento

1º – Suécia – 0,127
2º – Espanha – 0,113
2º – Irlanda – 0,113
3º – República Tcheca – 0,105