Estados UnidosMLS

Orlando City está “praticamente garantido” na MLS

O Orlando City, time que tem como principal acionista o brasileiro Flavio Augusto da Silva, está praticamente certo para entrar na MLS, segundo a própria liga. O último passo para que o clube da Flórida fosse aceito era a garantia de construção do seu estádio, o que deixaria a entrada da franquia de Orlando “praticamente certa”, segundo afirmaram representantes da liga à Trivela. Em votação nesta terça-feira, o Condado de Orange aprovou, por cinco votos a dois, a liberação de R$ 43 milhões (US$ 20 milhões) para a construção do estádio, o passo que faltava para a aprovação da construção no centro da cidade de Orlando.

Segundo informação do Orlando Sentinel, o governo da Flórida irá entrar com US$ 20 milhões, a prefeitura com outros US$ 20 milhões em recursos de impostos de turismo, além de outros valores menores, como os US$ 2 milhões do condado de Seminole. O clube irá gastar US$ 30 milhões, completando o custo total de US$ 84 milhões do novo estádio.  No total, o Orlando City planeja investir cerca de US$ 109 milhões (R$ 239 milhões), entre valores ligados à construção do novo estádio e da compra das cotas da franquia da Major League Soccer.

O prefeito de Orlando, Buddy Dyer, comemorou a aprovação da liberação de verbas do condado. “MLS, Orlando está pronta”, disse.  O presidente do Orlando City, Phil Rawlins, afirmou ao jornal Orlando Sentinel que a questão agora é apenas burocrática. “O grupo de proprietários assinou”, disse.”Nós esperamos algo entre quatro a seis semanas para finalizar a documentação e obter o acordo de franquia para o anúncio ser feito”. O presidente do clube estava emocionado com a decisão do condado. “A voz das pessoas foram ouvidas”, afirmou Rawlins, enquanto cerca de 200 torcedores do Orlando comemoravam a decisão ao redor dele. “Você pode ouvir que é um momento emocionante. Nós temos os melhores torcedores do país”, disse o dirigente.

O projeto de investimento de recursos de turismo não contemplou apenas o novo estádio do Orlando City, mas também destinará US$ 25 milhões para completar o Phillips Center, de artes performáticas, US$ 12 milhões para a reforma do Citrus Bowl, onde o Orlando City atualmente disputa seus jogos e onde são sediados jogos de futebol americano, orçada em US$ 191 milhões e que começa em janeiro, outros US$ 27,5 milhões serão destinados a investimento em anúncios de turismo relacionado a esporte, além de US$ 10 milhões no centro de convenções.

O Orlando City é um clube da USL Pro, uma liga menor nos Estados Unidos. Foi fundado em 2010 por Phil Rowlins, que levou a franquia de Austin, no Texas, para Orlando, na Flórida. Quando o brasileiro Flavio Augusto da Silva se tornou o sócio majoritário do clube no início de 2013, as chances do Orlando City chegar à MLS aumentaram. Phil Rowlins continuou como presidente do clube e o brasileiro chegou com um projeto ambicioso, visando alcançar a MLS, o que deve ser concretizado nas próximas semanas. O clube foi campeão duas vezes da USL Pro, a última nesta temporada, com uma vitória por 7 a 4 sobre o Charlotte Eagles, no dia 8 de setembro. O Citrus Bowl, onde a equipe manda seus jogos atualmente, tinha 20.886 pessoas, o que certamente ajudou a mostrar à MLS o interesse da cidade pelo futebol.

Torcedores do Orlando City
Torcedores do Orlando City

Rawlins afirmou que a expectativa é que a construção começa na primavera americana, entre março e maio de 2014. A previsão de conclusão das obras é no verão americano de 2015, entre junho e agosto. Segundo o Orlando Sentinel, o estádio será construído na rua Church, em Parramore, a um 1,5 quilômetro de distância do Amway Center, ginásio do Orlando Magic, time da NBA, e próximo do Citrus Bowl, onde o time joga atualmente.

O estádio terá capacidade para 20 mil pessoas, adequado ao que a MLS exige das franquias que querem entrar na liga. Em conversa com a Trivela nesta terça, Jeff Agoos, diretor técnico da MLS, afirmou que falta um time da MLS na região sul dos Estados Unidos e que a entrada do Orlando City estava próxima. Marisabel Muñoz, diretora internacional de Comunicações da MLS, disse que a entrada do time na MLS ficaria “praticamente certa” se a construção do estádio fosse aprovada na votação que aconteceria à noite, como acabou acontecendo. Não foi a primeira vez que a liga se pronunciou nesse sentido. Mark Abbot, presidente da MLS, declarou na segunda-feira que Orlando receberia um time da MLS assim que o acordo do estádio fosse completado.

“Estamos muito satisfeitos com esse resultado, em especial porque, de acordo com o presidente da MLS, Mark Abbott, essa aprovação era o que faltava para a nossa entrada nesse grupo”, disse Flávio Augusto da Silva. “Nos EUA o esporte é um negócio, por isso não adianta só apresentar resultado dentro de campo para ser promovido, é preciso estar bem também fora de campo e estamos provando que o Orlando City tem isso”, destaca o empresário brasileiro. “Agora só falta assinar com a MLS, o que deve acontecer nas próximas semanas”.

Mark Abbot deixou claro que a entrada de Orlando na MLS ficou próxima. “Agradecemos ao Condado de Orange e ao Conselho de Comissionários de Orlando pelo apoio para construir um estádio específico para futebol no centro da cidade”, afirmou Abbott, em comunicado. “Nós também gostaríamos de agradecer a Flávio Augusto da Silva, Phil Rawlins e sua equipe por sua paixão e comprometimento em trazer um time da MLS para Orlando”, continuou o dirigente da MLS. “Estamos ansiosos para trabalhar com o grupo de proprietários do Orlando City para finalizar o acordo de expansão”.

É uma questão de tempo para que a MLS tenha um time com dono brasileiro, o que só vai aumentar a presença do país na liga. Atualmente, são 16 jogadores brasileiros jogando pelos times da MLS, um dos países com maior presença entre os estrangeiros, junto com Canadá e Colômbia. Desta vez, a presença brasileira será também fora de campo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo