Ainda não se sabe se a Holanda estará na Copa do Mundo de 2018, mas um holandês estará. Bert van Marwijk, técnico que levou a Holanda à final da Copa de 2010, comandou a Arábia Saudita na campanha rumo à Copa do Mundo da Rússia. A vitória contra o Japão por 1 a 0, na última rodada, classificou os sauditas graças ao saldo de gols maior que o da Austrália: sete a cinco. Depois de duas ausências, o time está de volta ao principal palco mundial de seleções.

LEIA TAMBÉM: A Coreia do Sul flertou com a tragédia, mas fez sua parte e vai à nona Copa consecutiva

A classificação veio de modo dramático. Depois de vencer duas vencer em março, contra Tailândia e Iraque, o time teve derrotas contra Austrália e Emirados Árabes, na última rodada. Nesta rodada final, os jogos não poderiam ser ao mesmo tempo pela diferença de fuso horário entre Arábia Saudita e Austrália. Por isso, a Austrália entrou em campo primeiro e venceu, de forma sofrida, a Tailândia por 2 a 1. Fez os pontos, mas não tirou a vantagem saudita no saldo. Ficou tudo para o jogo que fecharia o grupo.

Com 62.165 pessoas no estádio Rei Fahd, em Riade, os sauditas entraram em campo sabendo que precisavam da vitória por qualquer placar para se garantir na Copa e quebrar as ausências nas duas últimas edições, na África do Sul e Brasil. Foi difícil, porque o goleiro Eiji Kawashima fez grandes defesas. O gol da vitória veio só no segundo tempo, aos 18 minutos. Fahad Al Muwallad, que entrou no segundo tempo, recebeu um bom passe dentro da área e soltou uma bomba, no ângulo, sem chance de defesa: 1 a 0.

Será a quinta Copa do Mundo da Arábia Saudita. O país participou de todas elas de forma consecutiva: 1994, 1998, 2002 e 2006. Só na primeira delas conseguiu avançar às oitavas de final, com um dos gols mais bonitos daquela Copa de Saeed Al-Owairan. Naquela edição, ficou no Grupo da Holanda, Marrocos e Bélgica e só ficou atrás dos holandeses. Caiu nas oitavas de final diante da Suécia. Nas outras participações que teve em Copas, não passou da fase de grupos.

Na última edição das Eliminatórias, a Arábia Saudita sequer tinha chegado à quarta fase. Caiu na terceira em um grupo com Austrália e Omã, os classificados, e Tailândia, a lanterna na ocasião. Nas Eliminatórias para 2010, acabou em terceiro lugar na quarta fase, atrás de Coreia do Sul e Coreia do Norte, classificadas. Na repescagem, perdeu para o Bahrain.

A Arábia Saudita é um dos poucos times com todos os seus convocados atuando no futebol local. É fácil de entender isso, já que o país é muito rico e tem times com muito dinheiro para manter os jogadores na liga saudita. O principal artilheiro do time, o atacante Mohammad Al-Sahlawi, é um astro do Al-Nassr, e marcou dois gols ao longo da campanha. O artilheiro das Eliminatórias Asiáticas, aliás, foi Nawaf Al-Abed, jogador do Al Hilal. Marcou cinco gols ao longo da campanha.

Com a vaga garantida, os sauditas agora precisam se preparar para fazer um bom papel na Rússia. Ao menos o técnico Bert van Marwijk tem experiência nesse tipo de competição. Deixou a batata quente da repescagem para a Austrália, que enfrentará a Síria. O vencedor do duelo irá enfrentar o quarto colocado da Concacaf, aí sim, em busca de uma vaga no Mundial.