Os bombardeios entre Israel e Palestina na região da Faixa de Gaza, intensificados nos últimos dias, trouxeram a primeira consequência negativa ao futebol. O Estádio da Palestina, onde a seleção local manda seus jogos, foi parcialmente destruído neste sábado. Com capacidade para 10 mil torcedores, o estádio já tinha sido bombardeado em 2006.

O estádio foi alvo de ataque de aviões F-16 israelenses, que provocaram quatro grandes buracos no gramado e danos em algumas instalações, incluindo um prédio adjacente do Ministério da Juventude e do Esporte. A recuperação é estimada em quatro semanas, com custo de milhões de dólares.

Temendo as consequências do conflito, a Uefa garantiu proteção ao Athletic Bilbao, que viaja a Israel para o próximo jogo na Liga Europa. Na quinta-feira, os bascos enfrentam o Kiryat Shmona em Haifa, cidade a 155 quilômetros de distância da Faixa de Gaza e livre dos ataques recentes.

“Dada a seriedade nos últimos acontecimentos na região, o Athletic está em continuo contato com a Uefa, na ordem de preservar a segurança dos torcedores que viajarão para Haifa na quarta-feira, para a partida contra o Kiryat Shmona. Dados os requerimentos do clube, a Uefa garantiu segurança e que a partida será disputada em Israel”, comunicou o Athletic, por meio de nota oficial.