A Trivela passou a tratar de mais assuntos nos últimos anos. Ampliamos nosso olhar para o futebol brasileiro e sul-americano, sempre tentando trazer alguma história pouco contada ou abordagem diferente. Nesse processo, acabamos aprofundando alguns tópicos mais do que outros. Acompanhando histórias mais a fundo. De racismo à Copa do Mundo de 2022, esses foram os principais temas em que nos destacamos este ano.

Dossiê Catar-2022
Ministro dos Esportes do Catar, Nasser al-Ali (AP Photo/John Leicester).
Ministro dos Esportes do Catar, Nasser al-Ali (AP Photo/John Leicester).

Talvez a Fifa não esperasse tantos problemas quando escolheu o Catar para ser sede da Copa do Mundo de 2022, mas deveria: denúncias de trabalho escravo, morte de trabalhadores, calor, corrupção, investigações do FBI, troca de presentes e de favores. Tudo que você pode imaginar aconteceu em torno da candidatura do país asiático, e a Trivela ficou em cima do lance. A política, as pressões para a Fifa mudar a data do torneio, ou mesmo tirá-la do Catar.

Toda as matérias podem ser vistas neste link.

Racismo
O goleiro Aranha, do Santos, no jogo contra o Botafogo no Maracanã (Foto: Jorge Rodrigues/Eleven)
O goleiro Aranha, do Santos, no jogo contra o Botafogo no Maracanã (Foto: Jorge Rodrigues/Eleven)

Racismo na Espanha, na Itália, na Rússia, em jogo do Cruzeiro e do Grêmio. Alguns momentos de 2014 escancararam o que há de pior nas pessoas. Tinga sofreu com a ignorância durante a Libertadores, Daniel Alves devolveu a banana, e Aranha foi chamado de macaco. Vários casos de grande repercussão ao longo do ano. Tratamos desse assunto com várias matérias críticas e explicativas para deixar claro que esse tipo de ofensa não pode ser tolerada:

Por que chamar negro de macaco é racismo?

Nenhuma punição é exagerada para o racismo, mas o que a exclusão do Grêmio significa?

Acostumado ao impossível, Grêmio é o time certo para lutar contra o racismo

Racismo no futebol: cinco países, e cinco exemplos do que fazer e não fazer (tema da semana)

Há 133 anos, o filho de uma ex-escrava se tornava o primeiro negro a defender uma seleção

A zoeira, meus caros, ela tem limite. Ainda bem

Emicida estava assistindo a Grêmio x Santos, e veja o que ele diz sobre caso Aranha

Aranha tem a coragem de não reagir, e por isso tem sido um gigante

Homofobia
Manifestação dos torcedores do St. Pauli contra homofobia
Manifestação dos torcedores do St. Pauli contra homofobia

Infelizmente, o racismo não é o único problema nas arquibancadas do nosso esporte favorito. A homofobia, muitas vezes confundida com “piadas inofensíveis” ou “politicamente incorreto”, começou a ser condenada no futebol brasileiro, o que é ótimo. O Corinthians, por exemplo, divulgou um manifesto contra os gritos de “bicha” que a sua torcida costuma lançar contra Rogério Ceni nos clássicos contra o São Paulo.

Por que “bicha” é xingamento?

Corinthians tem atitude gigante contra a homofobia em manifesto à torcida

Preconceito é errado em todo lugar, inclusive no futebol. Agora é o Atlético-PR que ignora isso

Por que as imagens da direita não incomodam tanto quanto a da esquerda?

Ficção
Anderson Talisca, do Benfica (AP Photo/Francisco Seco)
Anderson Talisca, do Benfica (AP Photo/Francisco Seco)

Todo torcedor sonha. Seja com a partida perfeita contra o maior rival, o título inacreditável ou um esquadrão capaz de se perpetuar entre os grandes da história. O que o é o futebol sem um pouco de imaginação e picardia? Por isso, fizemos alguns exercícios de ficção, criando cenários e situações que nunca vão existir, mas algumas bem que poderiam.

E se o Nordeste virasse um país, como seria sua seleção? Conheça a URSA

Como seriam os campeonatos se os antigos impérios ainda existissem?

Quantas Bolas de Ouro Pelé teria se pudesse concorrer? Nós damos a resposta

E se Rivaldo não tivesse ido para o Mogi Mirim?

Games
Football Manager 2015 chega no dia 7 de novembro
Football Manager 2015 chega no dia 7 de novembro

No campo dos games, destaca-se uma das raízes da fundação do site e da paixão de muitos pelo futebol, principalmente europeu: o Football Manager. Tivemos a nossa saga, comandada brilhantemente por Gabriel Dudziak com o Instituto, já no 26º capítulo. Entrevistamos o diretor Miles Jacobson, que contou todas as novidades da edição 2015. E acompanhamos a invasão do jogo no futebol de verdade, além de dar atenção também para os consoles.

Uma saga de FM

Conversamos com o diretor do Football Manager e falamos sobre FM 2015

O futebol inglês se rendeu ao FM e vai usar a base de dados do jogo para contratar

Nos 20 anos do Playstation, 20 jogos de futebol marcantes do console

Fifa no videogame tem feito americanos gostarem mais de futebol

11 games que deveriam ser de futebol, mas extrapolavam na imaginação

E mais Football Manager aqui.

Obituários
Alfredo Di Stéfano – Aos 27 anos, o argentino apenas começava a escrever a sua história lendária pelo Real Madrid. Já tinha feito muito por River Plate e Millonarios, mas foi semanas após seu aniversário é que recebeu a permissão para vestir a camisa merengue, após longa polêmica. Só depois que anotou os seus 49 tentos pela Champions.
Alfredo Di Stéfano – Aos 27 anos, o argentino apenas começava a escrever a sua história lendária pelo Real Madrid. Já tinha feito muito por River Plate e Millonarios, mas foi semanas após seu aniversário é que recebeu a permissão para vestir a camisa merengue, após longa polêmica. Só depois que anotou os seus 49 tentos pela Champions.

Não foram apenas os campos das artes e da política que perderam personagens importantes em 2014. O futebol também se despediu de algumas figuras históricas, como Oberdan Cattani, Marinho Chagas, Eusébio e Di Stéfano e contamos algumas histórias legais sobre todos eles. Também falamos do campo das artes, com as mortes de Roberto Bolaños e Robin Williams, e do jornalismo esportivo, com as partidas de Michel Laurence e Luciano do Valle. Afinal, o esporte se mistura com tudo.

Por que Di Stéfano não precisou da Copa para ser um dos maiores

Depois de glórias e decepções, Oberdan morreu antes da última homenagem

Cinco histórias para se lembrar de Marinho Chagas, tão craque quanto polêmico

Eusébio ainda é, sim, maior que Cristiano Ronaldo

Contos de Yeso Amalfi, o Deus do Estádio, um boêmio e a paixão de muitas mulheres

A obra de Roberto Bolaños sempre deixou transparecer sua paixão pelo futebol

Robin Williams também arrancava gargalhadas falando de futebol

O futebol brasileiro perdeu um de seus melhores contadores de histórias

Nunca se esqueça: Luciano do Valle foi um dos gigantes da narração esportiva