A CBF anunciou o seu calendário para 2016 como se fosse uma revolução. A manchete da nota oficial afirma com todas as letras: “Eliminatórias pausam o Brasileirão”. Uma demanda antiga dos clubes, que cansam de ter que disputar partidas importantes sem os seus craques porque eles estão defendendo a seleção brasileira. O diretor de competições Manoel Flores comemorou. “Essa mudança é mais uma evolução”, disse. Mas, calma lá, qual mudança?

LEIA MAIS: Árbitros têm a razão de protestar, embora sejam pelegos da CBF e reprimam outros protestos

Vamos comparar o calendário divulgado nesta terça-feira com o da atual temporada. A data Fifa dupla de março continua atrapalhando os estaduais, mas, ao invés de haver uma partida dois dias antes do primeiro jogo da seleção, ele será realizado um dia depois do segundo. No fim de semana entre os dois, rodada normal. Tudo bem, é um campeonato menor, e a CBF referia-se ao Brasileirão. Mas esse também está praticamente igual.

O calendário de 2015 prevê três paradas para torneios da Fifa no segundo semestre: setembro, outubro e novembro. Em todas elas, as partidas são previstas para uma sexta-feira (ou no sábado, por causa da televisão) e para a terça-feira da semana seguinte. A de setembro prevê a 23ª rodada do Brasileirão para o fim de semana entre os duelos, mas as de outubro e novembro já não fazem isso.

Então, qual a grande mudança alardeada pela CBF? A data Fifa de setembro também não terá rodada da Série A no final de semana e… é mais ou menos isso. Ela foi transferida para o final de junho, porque o calendário de 2015 previa quatro semanas de Copa América, e o de 2016, apenas três para a edição do centenário, marcada para os Estados Unidos, mas, com todos problemas da Fifa e da Conmebol, pode nem acontecer.

Os três jogos de terça-feira da Seleção no segundo semestre serão seguidos por rodada do Brasileirão no meio de semana. Ou seja, a bomba cai no colo do jogador que teria que disputar duas partidas em dois dias seguidos. Ano passado, Jefferson recusou-se a defender o Botafogo contra o Santos, na quinta-feira, depois de jogar contra o Japão, em Cingapura, na terça, e foi criticado pela torcida. Gil e Elias também não pegaram o Atlético-MG pelo Corinthians.

Os jogos das Eliminatórias do ano que vem serão realizados na América do Sul, o que diminui os efeitos da viagem, e a CBF pode colocar as partidas dos jogadores convocados na quinta-feira. Isso não elimina o problema, apenas o ameniza um pouco. Ainda assim, será que a televisão permitirá que Corinthians e Flamengo não apareçam no seu horário nobre em três das sete datas de meio de semana do Brasileirão previstas para o segundo semestre? Porque Elias é um jogador constantemente convocado, Gil de vez em quando aparece na lista do Dunga e Guerrero é o dono da seleção peruana.

O espaço para permitir que as convocações não atrapalhem os times poderia ser encontrado antecipando o começo do Brasileirão e diminuindo o tamanho dos estaduais, mas eles continuam com as suas 19 datas. Pelo menos, a CBF manteve um mês de férias e janeiro como pré-temporada. Mas a alardeada mudança não passou da transferência de uma rodada.

O calendário de 2015:

calendário 2015

E o de 2016:

calendário 2016