No triste 24 de março de 2016 em que o futebol dos Países Baixos (e do mundo) perdeu Johan Cruyff, ficou marcada uma gafe do jornal inglês The Guardian: para estamparem a capa do caderno de esportes repercutindo o falecimento de Cruyff, havia uma foto de um holandês driblando um adversário na Copa de 1974, mas não era o camisa 14. Era outro jogador – de fato, cuja fisionomia lembrava levemente a de JC. Era o atacante Pieter Robert “Rob” Rensenbrink, um dos tantos destaques daquela geração que fez a seleção da Holanda (Países Baixos) mudar de patamar para sempre no futebol mundial.

De todo modo, neste sábado, 25 de janeiro, é hora das homenagens serem feitas e das memórias prantearem Rensenbrink, falecido aos 72 anos, vítima da AMPE (Atrofia Muscular Progressiva Espinhal) com a qual já convivia há alguns anos.

Leia o texto completo no Espreme a Laranja, projeto do jornalista Felipe dos Santos Souza sobre o futebol holandês.