Espertinho demais? Veltman engana marcador aproveitando lesão de companheiro

O defensor do Ajax apontou para o jogador caído no gramado, fingiu que ia parar a jogada e, quando o marcador se virou, buscou a linha de fundo

A “ação mais anti-desportiva de todos os tempos” talvez seja uma classificação exagerada do Telegraph para o que fez Jöel Veltman na vitória do Ajax por 2 a 0 sobre o Sparta Roterdã, mas é verdade que o defensor holandês foi excessivamente espertinho no drible que deu aproveitando que um companheiro estava contorcendo-se de dor no gramado.

LEIA MAIS: O adeus de Piet Keizer, o gênio também fundamental na revolução do Futebol Total

O lance aconteceu no começo do segundo tempo, quando o Ajax já vencia por 2 a 0. Veltman dominou a bola pela ponta-direita, diante da marcação de Iván Calero. Berntrand Traoré sentia dores, próximo a onde a jogada se desenvolveria. Veltman parou, levantou o braço pedindo para Calero esperar e tudo indicava que interromperia o jogo para que o companheiro fosse tratado. Assim que Calero olhou para trás, Veltman buscou a linha de fundo e fez o cruzamento para dentro da área.

O gol não saiu, mas a jogada repercutiu mais do que a manutenção dos cinco pontos de distância entre Ajax e o líder Feyenoord. “Eu estava apenas sendo esporte”, disse Veltman, ao Metro. “Berntrand caiu e eu pensei ‘vou usar isso para levar vantagem’. Eu pretendia chutar a bola para fora, mas, quando meu adversário olhou para trás, eu passei por ele. Eu sei que talvez não tenha sido a coisa mais bonita a se fazer, mas foi apenas algo esperto, nada mais. Posso dar risada disso”.

O técnico do Sparta Roterdã, Alex Pastoor, disse que seu jogador foi “enganado”, e o capitão da equipe, Michel Breuer, gostaria que Calero tivesse prestado mais atenção. “Na minha opinião, tudo bem o que fez Veltman. Um dos nossos rapazes olhou (para trás) e isso não é bom. Tem que ir até a bola sair ou ouvir o apito e o jogo parar”, afirmou, segundo outro Telegraaf, o holandês.

“Meus companheiros disseram-me no vestiário”, continuou Veltman, “que eles teriam me batido bastante se eu tivesse feito isso contra um deles. O que eu teria feito se meu cruzamento resultasse em gol? Um gol é um gol. Eu acho que as pessoas estão exagerando um pouco. Não é que eu tenha saído cara a cara com o goleiro depois disso. Mas não vamos transformar essa história em algo grande. É melhor dar risada. Não vou fazer isso de novo, até porque acho que não vai funcionar de novo”.

Existe uma plausível discussão sobre fair play, pois muitas vezes o jogador pode cair ao chão fingindo dores para fazer cera, e o adversário sente-se moralmente obrigado a interromper a jogada. Mas, desta vez, Veltman usou ativamente a lesão do companheiro para driblar o marcador, que indicava solidariedade. Faltou um pouquinho de espírito esportivo, sim.