Ansu Fati surgiu no time do Barcelona nesta temporada como um traço de esperança em um time que sofreu muito na parte final da temporada. O jogador participou de 33 jogos, com oito gols e uma assistência. Foram 1.375 minutos em campo, uma média de cerca de 40 minutos em campo por partida. Ainda que o ano do seu clube tenha acabado mal, Fati termina como uma esperança de dias melhores. E isso vale para a seleção espanhola, comandada por Luis Enrique, que convocou o atacante pela primeira vez para o time principal.

Jogador que atua pelos lados do campo, o jogador foi mais usado pelo lado esquerdo do ataque. Rápido, se tornou uma opção interessante, ainda que nem o técnico Ernesto Valverde, nem Quique Setién conseguiram organizar o ataque para que o jovem pudesse ter mais espaço. Até porque com Lionel Messi, Luis Suárez e Antoine Griezmann, e ainda Martin Braithwaite, a concorrência ficou pesada. Com a saída de Messi e possivelmente de Suárez, além de um futuro incerto de Braithwaite, a tendência é Fati poder estar mais tempo em campo.

Nascido em Guiné-Bissau, o jogador chegou à Espanha com seis anos de idade, porque o seu irmão, Braima. Atualmente, Braiam tem 22 anos e está vinculado ao Barcelona B e já foi emprestado a times menores, de divisões inferiores, para ganhar experiência. Ansu, porém, foi o que teve maior sucesso. Começou a carreira no Sevilla, mas já em 2012 foi para a base do Barcelona. Em 2019, enfim, foi promovido ao time principal, ainda com 16 anos, e conseguiu se tornar um jogador do time principal.

Ansu Fati, da seleção espanhola sub-21 (Imago/Onefootball)

Ainda em 2019, Fati estreou pela seleção sub-19 da Espanha, convocado pelo técnico Luis de La Fuente, em outubro. Convocado por Luis Enrique, estreará pelo time principal pela Liga das Nações. Como é uma competição oficial, se ele entrar em campo, já estará vinculado definitivamente à seleção espanhola.

“É um orgulho e um prazer poder estar aqui e tentar aprender com os melhores. Vou tentar aproveitar ao máximo que puder e, com trabalho, poder vir mais vezes aqui”, afirmou o atacante de 17 anos do Barcelona em entrevista aos canais oficiais da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

“Estive conversando com Busquets toda esta semana. Ele me disse que tente aproveitar, que seja eu mesmo. E também pude falar com Jordi [Alba], que me disse o mesmo, que aproveite, que seja eu mesmo e que é uma experiência muito bonita”, continuou o jogador.

Ansu Fati contou que estava com um amigo quando soube que foi incluído na lista de convocados. Ele o chamou, de longe, e disse que o jogador ia para a seleção. “Eu disse a mim mesmo: o que ele disse? Não acreditei, mas quando vi no meu celular, foi uma sensação incrível”, contou.

Quando perguntado sobre os jogadores que mais admirava da seleção espanhola. “Sempre gostei de Iniesta e de tudo que ele fez pela seleção. E também o David Villa, que acho que deu muito à seleção”, contou o adolescente.

A Espanha estreia na Liga das Nações no dia 3 de setembro, contra a Alemanha, na Mercedes-Benz Arena, em Stuttgart. Depois, no dia 6 de setembro, recebe a Ucrânia no Estádio Alfredo Di Stefano, em Madri.