EspanhaLa Liga

Por mais craque que seja, Ronaldo não pode detonar companheiros como fez

As derrotas são doídas para todos e quem é mais competitivo costuma sentir mais. Sabemos que não é de hoje que Cristiano Ronaldo é uma das pessoas mais competitivas do mundo do futebol. Sabemos também que é muito frustrante perder jogos, especialmente quando se sabe que o time é bom o suficiente para vencer e não consegue. Nada, porém, justifica o que Cristiano Ronaldo fez neste sábado, depois da derrota do Real Madrid para o Atlético de Madrid, em clássico da capital espanhola.

LEIA MAIS: A melhor defesa do Atlético prevaleceu e impôs primeira derrota ao Real Madrid de Zidane

Os Colchoneros levaram a vitória para casa depois do 1 a 0 sobre os rivais no estádio Santiago Bernabéu. A atuação de Cristiano Ronaldo e de seus companheiros foi muito fraca. Poucas chances criadas, pouca criatividade para sair da marcação. O time foi encaixotado pelo Atlético de Madrid e, nas poucas chances que teve, não aproveitou. Viu um rival organizado e determinado deixar o campo com a vitória.

As derrotas deixam lições que devem ser aprendidas. Erros que precisam ser estudados para não serem repetidos. O time, sob o comando de Zinedine Zidane, melhorou de rendimento, passou a ter uma estratégia de posse de bola mais clara e foi menos robótico. Tudo isso, porém, não resolveu todos os problemas. O time continuou tendo alguns problemas defensivos que precisam ser corrigidos. Continuou sofrendo com a marcação adversária, quando encaixada, e a falta de criatividade de alguns jogadores de quem se espera muito mais.

Neste sábado, por exemplo, James Rodríguez foi um arremedo do que já foi. Fez uma partida ruim, apagada, que não lembra nem de longe a capacidade técnica que ele já mostrou, por exemplo, na Copa do Mundo e mesmo no Real Madrid, no início da sua passagem. Só que é preciso ir além. Isco, outro jogador de quem se espera mais, não apareceu. Foi apagado, discreto e errou os lances que tentou. Toni Kroos, outro jogador de alta capacidade técnica, foi muito mal no jogo, errou demais – inclusive na marcação do lance do gol. A atuação do Real Madrid, como um todo, foi muito fraca.

Neste bolo se inclui Cristiano Ronaldo. Ele até tentou em alguns lances, mas estava em um dia muito abaixo da sua média, que é muito alta. Não conseguiu ser o jogador insinuante e perigoso que sempre é. A defesa do Atlético conseguiu marcá-lo bem em quase todos os lances. No pouco espaço que teve, ele não aproveitou, como em uma cabeçada livre que Oblak defendeu.

Com uma atuação tão ruim, a preocupação de Cristiano, e de todos no Real Madrid, seria resolver os problemas que tornam o time mais previsível e até certo ponto dependente do seu craque. Em um momento como esse, que o Barcelona está a nove pontos de vantagem (podendo ainda aumentar essa vantagem) e a conquista da liga está tão difícil, tudo que o time não precisa é uma individualização dos problemas. Foi exatamente o que Cristiano Ronaldo fez.

“Jogamos melhor que o Atlético, mas infelizmente não tivemos sorte”, comentou o atacante do Real Madrid após o jogo. Uma afirmação que, por si, já seria questionável, uma vez que os mandantes não fizeram uma grande partida. “O Atlético teve uma oportunidade no segundo tempo e marcaram um gol. Não sei se foi o fator sorte, mas tivemos mais oportunidades que eles e merecíamos ganhar. A liga estava complicada e se tornará ainda mais difícil. Contudo, temos a Champions e se estivermos fortes na liga, estaremos fortes na Champions”, analisou ainda o português.

“A situação já era preocupante antes do dérbi”, continuou. Ainda que se discorde das afirmações de Ronaldo, até aqui estava tudo dentro da normalidade. O problema veio depois. “Para ganhar uma competição longa e importante como a liga, e sem querer menosprezar os jogadores, se não têm os melhores é complicado. Nos faltam Karim, Pepe, Marcelo, Bale… E é difícil. Não digo que os que jogaram não sejam tão bons como eles, mas os melhores sempre que não jogam afetam a equipe. Eu gostaria de jogar com Karim, com Bale, com Marcelo, e quando eles não estão é mais difícil. Ao longo da temporada, isto se nota. Não digo que Danilo não está bem. Contra o Atlético, foi o melhor, mas a longo prazo, se não está Marcelo, a equipe sente”, disse o português, bastante duro.

Cristiano continuou disparando. “Não sei se foi por uma má preparação na pré-temporada ou se foi uma má preparação posterior, o certo é que estamos tendo muitas lesões e isso prejudica a equipe. Principalmente nas partidas fora de casa. E pagamos a conta. Estamos muitos pontos atrás dos nossos principais rivais e a liga está praticamente perdida. É impossível”, analisou o camisa 7 do Real Madrid.

Veio, então, a bomba. “Todos dizem que ‘Crus’ está mal. Mas vejo a temporada dos que dizem que são os melhores e me vejo perto deles. Na CHampions, naõ vejo ninguém perto de mim. Dizem que como eu baixei o meu nível, baixou o nível do Real Madrid. Se todos estivessem no meu nível, talvez estaríamos em primeiro lugar na classificação! A imprensa é injusta comigo. Sempre. Aqui na Espanha se discute o meu calor. Parece que sou uma merda! Mas a verdade é que as estatísticas não enganam. Olhem as estatísticas”, bradou Cristiano Ronaldo.

“Não acredito que a equipe não jogue bem. Talvez joguemos menos bem que em outras partidas, mas não está mal. Emocionamente estamos pior na liga porque… Porra! Estamos nove pontos atrás do Barla com toda a pressão e isso é mais complicado. Então você vê os jogos da Champions e estamos bem. Eu sei que mentalmente temos que ser regulares, mas o subconsciente te diz que quando joga na liga, não é o mesmo. Na Champions, começamos do zero como os outros. Na liga não. Mas repito: se na Champions não tiver os melhores fisicamente bem, não irá ser campeão”, disse ainda Ronaldo.

Algumas horas depois, dada a repercussão negativa, Cristiano Ronaldo procurou meios de comunicação para se retratar. “Não me acho melhor do que ninguém. Me referia à parte física e as lesões. Não quis ofender aos meus companheiros”, disse o jogador.

O fato é que Cristiano, por mais que seja um craque, não pode dar declarações como essa. Complicam demias a situação de um vestiário que, historicamente, é tão complicado. É evidente que, até pelas suas falas, ele deu declarações de cabeça quente. Mesmo assim, isso se junta a outros episódios, como na temporada passada, que ele pareceu lamentar que Arbeloa marcou o gol, passando na sua frente. Sabia-se que Ronaldo brigava para ser artilheiro e ele não escondeu a insatisfação por não ser ele o autor do gol.

O Real Madrid precisa colocar o seu craque no lugar, porque esse tipo de declaração causará problemas que podem tornar as coisas ainda mais difíceis para o Real Madrid a longo prazo. Mais até do que a forte concorrência com os craques do ataque do Barcelona, Messi, Suárez e Neymar.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo