EspanhaItáliaSerie A

Ex-presidente do Napoli: “Maradona custou o dobro do que Cristiano Ronaldo custaria hoje”

Quanto custaria Diego Maradona com 24 anos nos dias de hoje? Uma pergunta muito difícil de responder. O presidente que bateu o recorde de transferências para levar Maradona ao Napoli em 1984, Corrado Ferlaino, contou em entrevista como foi gastar uma fortuna para levar o argentino à Itália, mesmo depois de um período sem tanto sucesso vestindo a camisa 10 do Barcelona. E o ex-dirigente do Napoli acredita que o valor pago por Maradona foi o dobro do que custaria Cristiano Ronaldo nos dias de hoje.

LEIA TAMBÉM: Especial | O melhor campeonato nacional da história: a Serie A dos anos 80/90

Levar o camisa 10 argentino para Nápoles não foi uma missão fácil. E Ferlaino contou como foi a dura negociação com o time da Catalunha. “Antes da negociação, fizemos um amistoso com o Barça e nos disseram que Maradona não ia jogar. Entendemos que ele tinha brigado com a diretoria e poderia ser contratado”, contou o ex-presidente em entrevista ao jornal espanhol AS.

“Nossos diretores mudaram para a Catalunha durante um mês. Ao final, nos comunicaram as condições por escrito. Eram muito duras, mas nós os surpreendemos e aceitamos. Mudaram de ideia e queriam continuar com Diego, mas, graças ao documento, não havia como voltar atrás”, revelou ainda Ferlaino. “Quando assinei o contrato em Barcelona, fui ao bar e tomei um uísque com gelo. O garçom me disse: ‘Você é italiano? Que grande negócio estamos fazendo com esse Maradona, ele é um gordo’. Eu não gostei muito daquela bebida”.

“Custou 13 bilhões de liras, o dobro do que hoje custaria Cristiano Ronaldo… Os intelectuais me criticaram, diziam que Nápoles era uma cidade pobre e isto era injusto. Mas era o meu dinheiro e quis gastar assim”, disse ainda o dirigente.

Quando perguntado se o Real Madrid tentou contratar Maradona, ele negou. “Não, nunca. Me pediram [Silvio Berlusconi [do Milan], Agnelli [da Juventus] e Tapie, do Olympique de Marseille, que me ofereceu um cheque em branco. Eu tivesse aceitado, seria presidente até hoje”, disse ainda Ferlaino. Ao ser perguntado se ele se arrepende por não ter vendido, ele não tem dúvidas. “Não. Sem Diego não teríamos ganhado o segundo Scudetto. E isto para mim não tem preço”.

Se Maradona custou o que hoje seria equivalente ao dobro de Cristiano Ronaldo, então Ferlaino conseguiria contratar Messi ou Cristiano Ronaldo atualmente? “Não sei, mas eu tentarei, com certeza. Se você contrata um supercampeão, ganha um Scudetto”. Com Maradona, o Napoli conquistou o Scudetto duas vezes, em 1986/87 e em 1989/90, a Copa da Itália em 1986/87 e a Copa da Uefa em 1988/89.

Maradona custou US$ 10,48 milhões ao Napoli para tirá-lo do Barcelona em 1984. Essa quantia em dólares, corrigida para 2017, seria de cerca de US$ 25 milhões. Mas isso, claro, não leva em conta o aumento gigantesco do valor dos jogadores no futebol. Miguel Borja, contratado pelo Palmeiras junto ao Atlético Nacional, custou US$ 10,5 milhões.

É difícil imaginar quanto custaria Maradona atualmente, mas o fato de ter sido o recorde de transferências por duas vezes – tanto na sua ida do Boca Juniors ao Barcelona por US$ 7,2 milhões, em 1982, aos 21 anos, quanto na sua contratação pelo Napoli, dois anos depois, já aos 23. Cristiano Ronaldo custou € 94 milhões em 2009 (US$ 131 milhões). O recorde de transferência atual é de Paul Pogba, da Juventus para o Manchester United por € 105 milhões (US$ 116,4 milhões em  2016).

Considerando o impacto que Maradona tinha na época, a sua idade, bom, não é difícil imaginar que ele custaria, de fato, uma fortuna que talvez fosse maior do que essa paga pelo Real Madrid ao Manchester United por Cristiano Ronaldo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo