Quando muitos gols não servem para alegrar a torcida

Espanha atropela o Taiti por 10 a 0 com quatro gols de Torres, três de Villa e deixa insatisfeita a torcida do Maracanã

A Espanha não se importou em ser a vilã da tarde no Maracanã. Estavam todos certos de que sairia uma goleada em cima do Taiti, apenas a cogitar por quanto. Quem disse que o time de Del Bosque iria entrar preguiçoso em campo acertou, mas até marchando a Fúria cozinhou as esperanças taitianas de outro gol épico. O 10 a 0 pareceu até pouco diante do tempo em que os europeus estiveram com a bola na área oponente.

Desde o início a proposta dos reservas espanhóis era aproveitar as chances que a desengonçada defesa taitiana concedia. Fizeram pouco caso da humildade dos rapazes da Oceania e menosprezaram as homenagens feitas antes do confronto. O Taiti fez questão de presentear os jogadores da Espanha com colares e pequenas flâmulas, um sinal de respeito. Respeito que a seleção campeã do mundo e bicampeã europeia fez questão de atropelar ao golear sem piedade.

A questão é que não foi só uma amostra de superioridade. Nem que a Espanha quisesse tirar o pé ou diminuir o ritmo, em todas as jogadas o time do Taiti colaborou para que Torres ou Villa saíssem na cara do gol. E errar numa situação dessas talvez fosse mais anti-desportivo do que propriamente violentar um adversário tão simpático quanto o Taiti.

Claramente ansioso pela importância do jogo e pelo palco, o selecionado de Eddy Etaeta sentiu o peso de encarar um rival do tamanho dos espanhóis. Muitos erros de passe, de marcação, perfeitamente naturais para um grupo de amadores. Mas nem com um caminhão de gols de Torres e Villa o Taiti esfriou. Sempre muito guerreiro, tentava compensar sua clara deficiência técnica com um esforço quase que desumano.

Nem é preciso analisar a postura da Espanha, que jogou o seu habitual, envolvendo o adversário e trabalhando a bola. No entanto, hoje a objetividade pareceu maior. Ou é apenas uma impressão que o Taiti passou ao deixar tantos espaços até o seu gol. Quando a bola entrava na área, podíamos ter a certeza de que sairiam gols. O goleiro Roche, coitado, se enrolou em quase todas as finalizações que iam em sua direção. Estava tão fácil que a Espanha parecia de certa forma constrangida de comemorar os gols que fazia.

Quando tinha a posse, o Taiti ganhou o apoio dos torcedores no Maracanã. Gastando tempo e tentando dribles bem tímidos, os goleados faziam tudo dentro do possível. Simplesmente não era o dia de fazer um gol e invocar mais uma vez a paixão do esporte, onde os subestimados deixam o mundo boquiaberto diante do simples feito de balançar as redes de uma potência. Quem sabe contra o Uruguai…

Formações iniciais

football formations

Destaque do jogo

Torres fez quatro gols e poderia ter chegado ao quinto num pênalti, que foi parar na trave. Desperdiçou pouquíssimas chances.

Momento-chave

Torres corre para a bola e vai cobrar um pênalti. Com o Maracanã todo torcendo para um erro, ele vai e… acerta a trave. Foi quase um gol para a massa que estava apoiando os taitianos.

Os gols

4/1T – GOL DA ESPANHA!
Torres invade a área desmarcado e chuta fraco, no cantinho para vencer o goleiro! Que gol fácil!

31/1T – GOL DA ESPANHA!
Villa segura a bola na meia-lua e rola para Silva, que entra livre e bate rasteiro para marcar o segundo.

33/2T – GOL DA ESPANHA!
Torres dribla um indefeso Roche para marcar o terceiro gol da Espanha no jogo.

38/2T – GOL DA ESPANHA!
Silva cruza da direita da área, o zagueiro não alcança a bola e Villa consegue dominar e dar um toque de leve para marcar.

3/2T – GOL DA ESPANHA!
Monreal recebe passe num contragolpe mortal da Espanha, que pega a defesa taitiana marcando em linha. Villa completa  o cruzamento e bota nas redes.

11/2T – GOL DA ESPANHA!
Torres aparece bem colocado no meio da área e apenas com um simples toque completa a assistência de Navas.

18/2T – GOL DA ESPANHA!
Lançamento longo cai na área, nos pés de Villa. O goleirão Roche saiu de forma vergonhosa e errou a bola, deixando tudo mais fácil para o atacante.

19/2T – GOL DA ESPANHA!
Mata recebe bom passe no miolo da zaga, domina mal e ainda fica livre para chutar por entre as pernas de Roche.

33/2T – GOL DA ESPANHA!
Torres compensa o pênalti perdido, dispara no ataque, dribla Roche sem dificuldade e manda nas redes.

43/2T – GOL DA ESPANHA!
Silva domina a bola dentro da área, gira e bate no canto. Dez gols!

Curiosidade

Apenas sete jogadores conseguiram marcar um triplete por suas seleções no Maracanã. Ademir, Pelé, Tostão, Zico, Romário, David Villa e Fernando Torres. (via @2010MisterChip)

Ficha técnica

ESPANHA 10 X 0 TAITI

Espanha_escudo Espanha
Pepe Reina, Cesar Azpilicueta, Nacho Monreal, Sergio Ramos (Jesús Navas), Raúl Albiol, Javi Martínez, David Silva, Santi Cazorla (Andrés Iniesta), Fernando Torres, Juan Mata (Cesc Fàbregas) e David Villa. Técnico: Vicente Del Bosque
Taiti Taiti
Mickaël Roche, Edson Lemaire (Yannick Vero), Teheivarii Ludivion, Nicolas Vallar, Alvin Tehau (Teaounui Tehau), Ricky Aitamai, Steevy Chong Hue, Henri Caroine, Marama Vahirua, Heimano Bourebare (Lorenzo Tehau) e Jonathan Tehau. Técnico: Eddy Etaeta
Local: Estádio Maracanã (Rio de Janeiro-BRA)
Árbitro: Djamel Haimoudi (AGL)
Gols: Torres (4/1T, 33/1T, 11/2T, 33/2T), Silva (31/1T, 43/2T), Villa (38/1T, 3/2T, 18/2T), Mata (20/2T)
Cartões amarelos: Cazorla (Espanha)
Cartões vermelhos: Nenhum