conseguiu superar, ainda que com muito trabalho. Em um jogo que os iranianos marcaram muito bem, tirando todos os espaços dos espanhóis, o gol até saiu, mas foi muito chorado. Diego Costa, em uma dividida, conseguiu tocar quase sem querer para dentro do gol e dar a vitória à Espanha por 1 a 0.

LEIA TAMBÉM: Além de Cristiano Ronaldo, pouca coisa se salvou na vitória de Portugal sobre Marrocos

O sofrimento não foi só para conseguir superar a barreira defensiva sólida armada pela seleção iraniana. No ataque, o Irã deu até seus sustos na defesa espanhola. Depois de passar o primeiro tempo todo defendendo, os iranianos tentaram chegar ao ataque depois da Espanha ter aberto o placar. Tiveram poucas chances e não as aproveitaram.

Espanha mais ofensiva

O técnico Fernando Hierro escolheu colocar Dani Carvajal, titular habitual da lateral direita, no lugar de Nacho, que jogou a primeira rodada. Além disso, tirou Koke do meio-campo e escolheu Lucas Vázquez, tornando assim o time mais ofensivo diante de um adversário com clara mentalidade defensiva.

Irã mais defensivo

Se a Espanha tornou o time mais ofensivo, o Irã, normalmente já bastante defensivo, ficou ainda mais. O técnico Carlos Queiroz escalou Ezatolahi e manteve também Ebrahimi, os dois volantes mais marcadores da equipe. Para isso, sacrificou o ponta Jahanbakhsh, artilheiro do Campeonato Holandês pelo AZ com 21 gols. O técnico português tentava assim tornar ainda mais complicada a vida dos espanhóis, acostumados a tocar a bola.

Parede iraniana

Durante o primeiro tempo, a Espanha não conseguiu fazer muito no ataque. O Irã manteve seus 11 jogadores defendendo, inclusive o atacante Azmoun, obrigando a Espanha a rodar, rodar, rodar, sem sucesso.  A melhor chance foi em uma bola trabalhada que David Silva finalizou já dentro da área, mas foi bloqueado por Pouraliganji. Além disso, bolas paradas e aéreas passaram a ser uma forma de tentar se aproximar do gol do Irã, muito bem protegido.

Uma bola?

O Irã praticamente não atacou durante a partida. Em um dos poucos momentos que chegou ao campo de ataque, no início do segundo tempo, depois de um lateral cobrado na área, a bola foi afastada e sobrou para Ansarifard, que chutou forte. A bola passou perto, mas foi fora.

Canela também vale

Em uma boa troca de passes pelo meio, Iniesta achou Diego Costa no meio da área. O centroavante girou e, antes de chutar, Rezaeian chutou para afastar, a bola bateu em Diego Costa e entrou. Gol do atacante, ainda que sem ser exatamente por querer. O gol, logo a nove minutos do segundo tempo, mudou o panorama do jogo.

Gol anulado

Depois de tomar o gol, o Irã, naturalmente, saiu um pouco mais para o jogo. Em uma cobrança de falta para a área, um bate rebate na área, a bola sobrou para Ezatolahi, que encheu o pé. Comemoração ensandecida dos iranianos, mas o árbitro anulou. Ezatolahi estava impedido na hora da cobrança de falta. O lance foi revisado pelo VAR e corretamente anulado.

Lindo lance

Indo mais ao ataque, Amiri foi o protagonista de um dos lances mais bonitos do jogo. O camisa 11 do Irã jogou por entre as pernas de Piqué, passando pela marcação do zagueiro, e cruzou. Taremi chegou para cabecear, mas a bola foi por cima.

Próximos jogos

A última rodada deste grupo será no dia 25 de junho, na segunda-feira, com Espanha x Marrocos e Irã x Portugal. Os jogos serão às 15h (horário de Brasília). Tanto Espanha quanto Portugal precisam apenas do empate para garantirem a classificação.

FICHA TÉCNICA

Irã 0x1 Espanha

Local: Arena de Kazan, em Kazan (RUS)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Gols: Diego Costa aos 9’/2T (Espanha)
Cartões amarelos: Vahid Amiri, Ebrahimi (Irã)

Irã

Alireza Beiranvand; Ramin Rezaeian, Majid Hosseini, Morteza Pouraliganji e Ehsan Haji Safi (Milad Mohammadi aos 24’/2T); Saeid Ezatolahi; Mehdi Taremi, Omid Ebrahimi, Vahid Amiri (Saman Ghoddos aos 41’/2T) e Karim Ansarifard (Alireza Jahanbakhsh aos 29’/2T); Sardar Azmoun. Técnico: Carlos Queiroz

Espanha

David De Gea; Dani Carvajal, Gerard Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Sergio Busquets; Lucas Vázquez (Marco Asensio aos 35’/2T), David Silva, Andrés Iniesta (Koke aos e’/2T) Isco; Diego Costa (Rodrigo Moreno aos 44’/2T). Técnico: Fernando Hierro