A Série C está se tornando a cada ano uma competição mais charmosa no calendário brasileiro. Mais organizada do que nunca e com apoio da CBF aos clubes que disputam, ainda contando com uma fórmula que faz sucesso em divisões inferiores, não se pode reclamar de injustiça na fase de mata-mata na Terceirona.

Apesar de não ter nenhuma grande surpresa nos promovidos, rebaixados e entre os que ficaram pelo caminho, a competição teve sua dose particular de emoção nas rodadas finais da primeira fase, quando foram definidas aos poucos as posições. O equilíbrio pode ser visto na diferença e pontos entre o segundo e o quinto colocados do Grupo B (que contemplou a região Centro-Oeste, Sudeste e Sul): O Duque de Caxias avançou com 29 pontos, dois a mais que o Caxias, que ficou pelo caminho.

Na outra chave, Fortaleza e Luverdense, que tomaram grande distância dos outros concorrentes, com 39 e 34 pontos, respectivamente, viram o Treze morrer na praia com 22 pontos, dois a mais do que o Salgueiro, que encara o descenso para a Série D. Mal mesmo foi o Guarany de Sobral, que caiu com modestos 14 pontos. Rebaixados no Grupo B, Santo André e Tupi (campeão da D em 2011) terão de encarar o fantasma do fundo do poço.

Pena mesmo foi do Santa Cruz não ter seguido adiante na competição. Dono de uma campanha fraca e que por pouco não resultou em novo rebaixamento, a equipe pernambucana demorou demais para acordar e pagou o preço dessa fragilidade em confrontos importantes.

O artilheiro

Denis Marques, do Santa Cruz, dificilmente será ultrapassado no ranking dos artilheiros desta edição da Série C. Visto que o Santinha naufragou na última rodada contra o Águia de Marabá, perdendo de 1 a 0, o atacante que já brilhou no Atlético-PR marcou 11 vezes, quatro a mais que Kiros, do Paysandu. Será que ele pode ser alcançado?

Sendo assim, vamos a um rápido resumo dos promovidos à Série B em 2013, lembrando que Chapecoense x Oeste e Paysandu x Icasa se enfrentam nas semifinais:

CHAPECOENSE

Eliminando o Luverdense nas quartas e garantindo o seu acesso, a equipe catarinense mostrou muita força jogando na Arena Condá e conseguiu se recuperar de um início turbulento na primeira fase. Encaixando um excelente jogo em Chapecó contra os matogrossenses, a Chape decidiu tudo na primeira partida com um 3 a 0 incontestável. Tem um elenco respeitável e sempre faz boas campanhas no Estadual. A boa estrutura formada nos últimos cinco anos (inclusive com os títulos catarinenses em 2007, 2011 e a quinta colocação na Série C no ano passado) permitiu que a campanha nesta edição fosse um sucesso. Melhor defesa do Campeonato, (14 gols sofridos) deve mesmo manter a base afim de seguir nessa ascendente.

Destaques: Com a terceira posição na fase de grupos, o Verdão subiu graças a um plantel equilibrado. O goleirão Nivaldo, os meias Neném e Athos e os atacantes Eliomar (4 gols), Henrique e Jô, estes dois últimos com grande colaboração na vitória diante do Luverdense, foram os principais pilares deste acesso da Chapecoense. Chega forte para a Série B e pode conseguir outra promoção em 2013.

OESTE

Deu tudo mais certo do que o esperado para o Rubrão. A simpática equipe de Itápolis figura entre as 40 principais forças do futebol brasileiro depois de um ano inesquecível. Com bom investimento e atletas que vingaram, o Oeste aprontou pra cima do Fortaleza fora de casa para conquistar o inédito acesso à Série B. Surpreendendo o Leão no Presidente Vargas, os paulistas fizeram 3 a 1 e debaixo de vários objetos atirados ao gramado comemoraram o feito. Enquanto alguns diziam que o Tricolor conseguiria vencer e ser favorecido pelo empate em 1 a 1 nos Amaros, semana passada, o Oeste trabalhou em silêncio para alcançar as semifinais. Quarto colocado e aproveitando o vacilo do Caxias na última rodada da primeira fase, o rubronegro do interior paulista prova que tem poder de fogo em momentos decisivos. Importante também citar o bom trabalho do técnico Luiz Carlos Martins, que fez o time crescer após sua chegada.

Destaques: O meia Samuel, o zagueiro Líger e o volante Dionísio. Bem armada e segura na retaguarda, a formação do Rubrão sabe se impor jogando em Itápolis e tem truques na manga como visitante. Um time perigosíssimo, sem sombra de dúvida.

PAYSANDU

O Papão está voltando. A equipe paraense, tal qual o Oeste, chegou aos trancos e barrancos na segunda fase, numa margem estreita em relação ao Treze, por dois pontos. Beliscando a última vaga da Chave A, o Paysandu não teve vida fácil ao passar pelo Macaé nas quartas de final. Vencendo a primeira perna do duelo por 2 a 0, em Paragominas (perdeu mando de campo na reta final da fase de grupos), o esquadrão bicolor conseguiu segurar o placar de 3 a 2 para os cariocas mesmo saindo atrás no placar, o que garantiu a classificação. O esforço teve o aspecto guerreiro do Papão, marca desta campanha na Série C. Que dirá os 30 gols marcados…

Destaques: O meia Yago Pikachu e os atacantes Kiros e Rafael Nascimento, com 7 e 5 gols respectivamente. A equipe treinada por Lecheva (sim, aquele) tem um bom ritmo e não se apavora em desvantagem. Da mesma turma da Chapecoense, evoluiu bastante na reta final da primeira fase e chega no auge de sua forma para tentar o caneco.

ICASA

Os cearenses caíram para a C em 2011, mas conseguiram se recuperar do ano ruim para conquistar o acesso. Em terceiro no seu chaveamento, o Icasa fez valer o mando de campo na ida das quartas de final diante do Duque de Caxias. Dentro do Romeirão, o Verdão do Cariri suou, mas conseguiu um gol de pênalti no final do segundo tempo, conseguindo um placar magro, mas que dava mais tranquilidade para segurar um empate no Rio de Janeiro. Foi exatamente isso que aconteceu. Um insosso 0 a 0 premiou o Icasa, que terá um osso duro de roer contra o Paysandu na semifinal.

Destaques: O zagueiro André Turatto, o volante Elanardo e o atacante Canga são os pilares de uma equipe que fez apenas 20 gols, a quarta pior marca da Série C. No entanto, a consistência fez com que de 1 a 0 em 1 a 0 a vaga no mata-mata viesse. E aí, valeu a boa atuação fora de casa contra o Duque para conter o ímpeto do oponente.