Equador e Japão disputaram um jogo aberto e divertido, nesta segunda-feira, em Belo Horizonte. Não por acaso: ambos precisavam vencer para passar às quartas de final. O Paraguai, favorecido pelo empate, segurou a respiração nos minutos finais quando os dois times perderam chances claras de gol, mas acabou sendo o mais feliz do triângulo. Com o empate por 1 a 1 no Mineirão, tornou-se o adversário do Brasil, na próxima quinta-feira, em Porto Alegre, pelas quartas de final da Copa América.

Por um triz

A bola em velocidade do Japão foi fatal contra a frágil defesa equatoriana. Aos 14 minutos, Okazaki recebeu nas costas da zaga e dividiu com o goleiro Domínguez. A sobra ficou com Nakajima, na entrada da área. Com o gol vazio, não houve dificuldade para fazer o gol. O suspense ficou por conta da arbitragem porque o atacante do Leicester parecia levemente impedido no começo da jogada. Com o auxílio do vídeo, porém, o árbitro confirmou o tento.

Equador empata

O jogo aberto do Japão permite uma certa troca de golpes, especialmente quando o goleiro sai jogando errado. Pressionado por Enner Valencia, Kawashima jogou direto nos pés de Mena que tocou para o companheiro, na entrada da pequena área. Kawashima conseguiu se recuperar e fez grande defesa. Ele voltou a trabalhar muito bem, aos 34, quando Arboleda encheu o pé de dentro da área. No entanto, Mena estava sozinho para pegar o rebote e empatar.

Muita ousadia 

De olho na Olimpíada de Tóquio e com um time muito jovem, o Japão tem sido um dos times mais legais de acompanhar na Copa América, pela leveza com a qual encara as partidas. E ousadia. Como aos 39 minutos do primeiro tempo, quando Miyoshi emendou para Nakajima que deixou a marcação comendo poeira e, da entrada da área, tentou encobrir o goleiro Domínguez. Quase fez um golaço.

Fim animado

Como o empate era bom apenas para o Paraguai, os dois times foram à frente sem muitas responsabilidades na reta final da partida. E cada lado perdeu sua chance de ouro. Primeiro, Kubo deixou Maeda na cara do gol, mas o chute pegou na perna do goleiro Domínguez. Em seguida, Preciado recebeu livre pela esquerda, entrou em diagonal e tentou bater colocado, tirando tinta da trave. A segundos do fim, Nakajima recebeu na marca do pênalti, sem marcação, mas demorou demais para chutar e foi bloqueado. Kubo ainda pegou o rebote e fez o gol, mas estava impedido.

Estádio vazio

Apenas 2.106 pagantes no Mineirão porque era realmente difícil antecipar que Equador x Japão em uma noite de segunda-feira seria um jogo legal de ver. Público total: 9.729, ainda o menor desta Copa América.

Ficha técnica

Equador 1 x 1 Japão 

Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Jesús Valenzuela (VEN)
Gols: Angel Mena (EQU); Shoya Nakajima (JAP)
Cartões amarelos: Robert Arboleda, Antonio Valencia e Luis Chicaiza (EQU); Takehiro Tomiyasu (JAP)

Equador: Alexander Domínguez; Pedro Velasco, Arturo Mina, Robert Arboleda e Cristián Ramírez; Carlos Gruezo, Angel Mena (Luis Chicaiza), Jefferson Orejuela, Jhegson Méndez (Eduar Preciado) e Romario Ibarra (Antonio Valencia). Técnico: Hernán Darío Gómez

Japão: Elji Kawashima; Tomoki Iwata, Naomichi Ueda, Takehiro Tomiyasu e Daiki Sugioka; Koji Miyoshi (Hiroaki Abe), Gaku Shibasaki, Ko Itakura (Daizen Maeda) e Shoya Nakajima; Shinji Okazaki (Ayase Ueda) e Takefusa Kubo. Técnico: Hajime Moiryasu