Entre grandes atuações recentes, João Paulo viveu sua maior noite e garantiu a emocionante vitória do Santos sobre o Olimpia

O enredo recente sobre o Santos gira muito ao redor de Marinho e, realmente, o ponta vem gastando a bola nos últimos meses. De novo ele seria decisivo ao Peixe nesta quinta-feira, em noite na qual Carlos Sánchez voltou a merecer elogios e Kaio Jorge se reconciliou com as redes. Porém, se o protagonismo de Marinho ofusca a ascensão meteórica do goleiro João Paulo, não tem como falar sobre os 3 a 2 em cima do Olimpia sem exaltar o goleiro alvinegro. A partida no Estádio Manuel Ferreira seria cheia de emoção, com duas viradas no placar. E a quantidade de gols só não foi maior pela inspiração do arqueiro do Santos. Um achado de Cuca ao ser alçado como titular, o jovem de 25 anos vinha de grandes atuações. Nenhuma como a de Assunção, com uma série de defesaças, que garantiu a classificação antecipada do Peixe na liderança.

A partida não precisou de muito tempo para ganhar intensidade. O Olimpia tentava marcar em cima e arriscou algumas jogadas, mas logo o Santos começou a encaixar suas investidas e a levar perigo. Sem os zagueiros titulares, a atitude dos visitantes era compreensível. O Peixe passou a ganhar faltas nos arredores da área e, aos 13, teria um pênalti a seu favor. Madson foi derrubado por Jorge Recaldo perto da risca e, na cobrança, Carlos Sánchez mandou para dentro.

O Olimpia não demorou a pressionar e a responder. O empate saiu aos 23, com o próprio Recalde. O meio-campista se infiltrou na área e aproveitou um excelente cruzamento de Alejandro Silva, pulando sozinho no segundo pau. Madson, que agora estava na marcação, não saiu do chão. O Santos sentiu o gol e, mais contido, dava espaços aos franjeados. O time da casa arriscava em chutes de longe e João Paulo realizou boa defesa aos 33, em batida rasteira de Isidro Pitta. Logo depois, saiu a virada, de novo com Recalde pela esquerda. Néstor Camacho levantou a bola para o meio-campista matar no peito e finalizar no canto.

Quando o jogo parecia se tornar realmente difícil ao Santos, Marinho definiu. Mesmo sem querer, a cobrança de falta do ponta acabou sendo decisiva para garantir o empate, aos 40. O tiro lateral ameaçava e Marinho bateu fechado, buscando algum companheiro que desviasse a bola. No fim, ninguém tocou e mesmo assim o goleiro Librado Azcona acabou enganado pelo quique. O tento era essencial para recolocar o Peixe no segundo tempo.

No início da etapa complementar, o Olimpia parecia pronto ao terceiro. Levou perigo em uma cobrança de falta de Recalde e, quando Pitta dominou sozinho, João Paulo fez mais uma intervenção decisiva. O Santos responderia depois disso e teria seu momento à nova virada. Soteldo primeiro parou em Azcona, antes que o gol viesse em uma desatenção da zaga olimpista. Marinho cruzou, Kaio Jorge deixou a bola passar e Carlos Sánchez recebeu na esquerda. Devolveu ao garoto, completamente livre, sem dificuldades a assinalar o terceiro.

O final do duelo seria disputado nos arredores da área do Santos, com a pressão do Olimpia pelo empate. O técnico Daniel Garnero deu presença de área ao time, com as entradas de Roque Santa Cruz e Brian Montenegro. O nome da noite, ainda assim, seria João Paulo. Em meio ao abafa franjeado, José Leguizamón emendou uma bicicleta aos 26 e o goleiro voou para espalmar, em sua defesa mais impressionante da noite. Os paraguaios seguiam apostando no jogo aéreo. João Paulo rebateu um chute fechado de Recalde, antes de operar mais um milagre, em cabeçada de Montenegro.

No único bom lance do Santos em meio à pressão, Raniel recebeu de Marinho e bateu tirando tinta da trave. Mas os minutos finais manteriam a provação aos torcedores do Peixe. Os chuveirinhos eram constantes e a zaga resistia. Quando não dava, João Paulo se agigantava de novo. Recalde ainda teve um gol anulado por impedimento aos 40 minutos. Os oito minutos de acréscimos serviram para testar a fé dos santistas. E eles acabariam agradecendo outra vez ao goleiro, que faria sua última intervenção vital já em cima da linha, quando Montenegro estava a ponto de empatar.

O Santos chega aos 13 pontos no Grupo G e não pode mais ser alcançado por seus concorrentes. Jogará sem responsabilidade na próxima semana, quando recebe o Defensa y Justicia na Vila Belmiro. Já o Olimpia, com cinco pontos, fica numa situação delicada. Embora perto da vaga na Copa Sul-Americana, precisa secar os argentinos para ainda ter esperanças na Libertadores.

Olimpia x Santos (Fonte: Soccerway)

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore