No Manchester United, Lukaku e Sánchez não eram dos mais queridos. Porém, neste domingo (2), a dupla foi importante no reencontro da Internazionale com a vitória na Serie A. Depois de um primeiro tempo superior da Udinese, a entrada do chileno no segundo tempo transformou o jogo ofensivo da Inter. Decisivo, o belga, por sua vez, fez o que se espera dele: gols. O 2 a 0 é sobretudo muito bem-vindo diante dos desfalques nerazzurri.

Com lesão no dedo, o goleiro Handanovic foi um dos jogadores indisponíveis a Antonio Conte. Em seu lugar, Daniele Padelli fez sua primeira partida como titular na Serie A desde agosto de 2016, quando ainda jogava pelo Torino. O experiente arqueiro foi bastante exigido na primeira etapa, com a Udinese merecendo mais o balançar das redes.

Aos dez minutos, Padelli espalmou um chute forte de Rodrigo de Paul, de longa distância. Seis minutos depois, foi a vez de Fofana levar perigo, finalizando na rede pelo lado de fora. Aos 38, Fofana, de novo ele, fez grande jogada pela esquerda, cruzou e viu Padelli desviar a bola. Na sobra, Stryger-Larsen tentou um sem pulo, mas Young apareceu providencialmente para evitar o gol.

Desfalcada de Lautaro Martinez no ataque e de Sensi e Brozovic (este posto para descansar, mas ainda no banco de reservas) no meio, a Inter pouco criou na primeira etapa. Foram apenas duas chances minimamente boas: aos 28 segundos de jogo, quando Esposito forçou o goleiro Juan Musso a espalmar para escanteio, e aos 19 minutos, quando Moses fez grande jogada pela direita, cruzou para a área, mas viu Vecino pegar mal na bola, de joelho, mandando pela linha de fundo.

Titular pela primeira vez desde que chegou do Tottenham, Eriksen não teve boa atuação e foi substituído por volta dos 15 do segundo tempo, para a entrada de Brozovic. Sebastiano Esposito também saiu, dando lugar a Alexis Sánchez, e o jogo ofensivo da Inter então se transformou.

Apenas quatro minutos depois das duas mudanças, o primeiro gol apareceu. Lukaku, que na primeira hora de jogo, sem as alterações, não havia finalizado uma vez sequer, recebeu bom passe de Barella e bateu entre as pernas da marcação, rasteiro, para vencer também o goleiro Musso e abrir o placar, logo em seu primeiro chute.

Alexis Sánchez, com sua movimentação por todo o ataque, deu o dinamismo que até então faltava à Inter. Era incisivo em ambos os flancos. Pela direita, começou boa jogada, cruzou e viu a bola quase entrar no gol. Young pegou a sobra, cruzou para Vecino, o uruguaio desviou, e Lukaku mandou uma bomba em direção ao gol, sendo parado por grande defesa de Musso.

Já pela esquerda, a atuação de Sánchez foi ainda mais decisiva. Por este lado, fez boa jogada individual, levando um pouco de sorte na dividida com a zaga e, na sequência, driblando o goleiro. Musso, sem opções, derrubou o chileno, e o pênalti foi marcado. Na cobrança, Lukaku colocou a bola no canto direito inferior, fazendo 2 a 0, aos 26 minutos da etapa final.

Standings provided by Sofascore LiveScore

Depois de três frustrantes empates seguidos por 1 a 1, contra Atalanta, Lecce e Cagliari, que custaram a liderança aos Nerazzurri, os comandados de Antonio Conte se reencontraram com a vitória, mesmo com tantos desfalques. Ao técnico, a melhor novidade individual foi a influência imediata de Sánchez, que fez apenas sua quinta partida desde retornar de lesão no tendão.

Ainda é cedo para falar, mas o chileno pode transformar a boa atuação deste domingo em uma sequência positiva que daria ao treinador uma alternativa interessante a seu ataque, que sente tanto quando um dos membros da dupla titular está fora de ação. Tendo falhado em contratar um atacante para a reserva em janeiro, a Inter estará contando com isso.