Você, que acompanha nossa série “Entidades Místicas do Futebol”, sabe que estamos na segunda temporada, tratando das lendas do futebol europeu. Faremos, porém, uma pausa para tratar de futebol olímpico nesta edição extraordinária. Este texto foi inicialmente enviado na Newsletter da Trivela, na última sexta-feira. Assine agora e não perca nenhuma edição, toda sexta no seu e-mail!

Você o conhece. Aquele time que está sempre ali, às vezes com um nome um pouco difícil de pronunciar, mas com o passar dos anos e a sua presença constante nos acostumamos a ouvir. Ele chega rasgando, mais uma vez, para enfrentar algumas das maiores potências do continente, depois de passar pela selva das preliminares da Champions League.

LEIA MAIS: Estes são os grupos da Champions League 2016/17

O time é grande. No país dele. Não é grande na Europa, mas está sempre trazendo um jogador com a alcunha AQUELE. Lembra daquele meia que jogou na Inglaterra? Lembra daquele zagueiro que atuou na Alemanha, AQUELE? Ah, esse time tem um atacante que brilhou no Espanhol, AQUELE. Sempre tem um AQUELE nesse tipo de time. Às vezes, inclusive, é uma outra entidade mística, como o brasileiro injustiçado, o craque do leste europeu, ou o artilheiro do Holandesão.

Nas fases preliminares, este clube avança entre dificuldades e passeios. Alguns confrontos ele esmaga os adversários, como aqueles times do Azerbaijão que conseguem passar das primeiras fases. Na última fase preliminar, os playoffs, normalmente eliminaram um time tradicional, às vezes um que até já foi campeão quando a TV ainda era em preto e branco. Finalmente, vai à fase de grupos e ganha alguns elogios de sites como nós, na Trivela, que diz que tem um jogador ali que é preciso ficar de olho e que o time não é campeão nacional à toa.

Aí vem o baque. Na fase de grupos, faz um ou outro jogo mais complicado contra um grande, mas perde. Aí perde de novo, só que por goleada. E contra um time médio, tenta endurecer o jogo, mas perde. Na última rodada, faz figuração apenas, porque já está eliminado. E perde.

Algum comentarista, então, culpa Michel Platini pela politicagem ao deixar que esses times cheguem à fase de grupos. Só esquecem que times de ligas grandes, como a Real Sociedad, também passam à fase de grupos e, com Griezmann e tudo, tomaram seis derrotas e saíram sem um pontinho sequer. Ou mesmo Chelsea, Manchester United e Liverpool que caem na primeira fase. Em 2012, mostramos que o impacto da Rota dos Campeões na Champions é muito pequeno em relação à qualidade do torneio. Mas segue como argumento…

O leão da fase preliminar de Champions League, então, está ali. Às vezes até chega nas oitavas de final, sonhando. Aí cai, sendo arrasado por algum time que está sempre nas semifinais. Tudo bem, Champions League tem todo ano…

Chamada Trivela FC 640X63