O texto abaixo foi divulgado inicialmente na newsletter da Trivela, no dia 11/09. Assine agora e não perca nenhuma edição, toda sexta no seu e-mail! Para ver os episódios anteriores da série, clique aqui.

Em 1999, o Vasco era um dos melhores times do Brasil (faz tempo…) e tinha na sua dupla de zaga dois jogadores completamente diferentes entre si: Mauro Galvão, já veterano e muito técnico, com 37 anos, e Odvan, um jogador que sempre teve como grande qualidade a vitalidade e caça ao tornozelo adversário. O primeiro era discutido como melhor zagueiro do Brasil na época, mas foi o segundo que foi convocado para a Seleção Brasileira que disputou a Copa América, no Paraguai. O técnico, na época, Vanderlei Luxemburgo, justificou a convocação de Odvan criando uma expressão que passaria a ser eterna: “Odvan é zagueiro zagueiro”.

LEIA TAMBÉM: A seleção brasileira e o desejo de sonhar

Mas o que é um zagueiro zagueiro?

Há quem diga que zagueiro não pode ser bonito. Outros gostam de dizer que zagueiro tem que ter um nome que imponha respeito. Foi assim que Jonathan Doin virou Paulo Miranda. Mas além da LATARIA, muitos acreditam que o zagueiro precisa ser sério na atitude. Na época que piercing e chuteiras coloridas começaram a aparecer no futebol, havia quem dissesse que zagueiro não podia usar nada disso. E se ele for grosso e não souber sair jogando, é até melhor.

O zagueiro zagueiro é especialista em um tipo de lance: aquele bico para a arquibancada depois de desarmar um adversário. É quando a torcida comemora como se fosse um gol. Mal sabem os torcedores que o zagueiro zagueiro faz isso só porque se ele tentar um passe, a chance de errar é enorme. Uma vez que desarmou o adversário, o zagueiro zagueiro só quer se livrar daquele estranho objeto esférico e voltar à caça de tornozelos, situação em que fica mais confortável.

Desejado por muitos técnicos da velha guarda, o zagueiro zagueiro odeia quando ele sobe para a área e a bola sobra nos seus pés. Ter a redonda nos pés, para um zagueiro zagueiro, é um tormento. Ele não sabe o que fazer, é como jogar futebol de terno. Por isso, ele trata de se livrar logo da danada. De preferência fazendo sinal de crucifixo.

Como não tem muita intimidade com a pelota, o zagueiro zagueiro às vezes complica e entrega uns gols no seu time. Um recuo mal calculado, um chutão para o lado que sai para trás, uma entrada atabalhoada que acaba em um pênalti ou mesmo uma expulsão por ter dado uma bordoada no adversário que fez uma firula. Aí a torcida que o exaltou por aquele chutão é a mesma que irá xingar toda a sua dinastia por ter prejudicado o time.

Melhor então ficar com a boa imagem, como esta aqui de Odvan imitando Stevie Wonder e cantando “I Just Called To Say I Love You”:

VEJA MAIS EPISÓDIOS DA SÉRIE:
O jogador talismã
O volante brucutu
O lateral que não sabe marcar
O camisa 10 clássico
O goleiro reserva
O atacante que não sabe finalizar
O terceiro homem de meio-campo


Os comentários estão desativados.