A Champions League foi o destaque do futebol europeu, nesta quarta-feira. Seis partidas às 18h, de Brasília, envolvendo equipes como Barcelona, Liverpool, Paris Saint-Germain, Internazionale e Tottenham. Mas, quinze minutos antes, em Birmingham, começava aquele que seria o jogo mais doido do dia. E envolvendo dois antigos campeões europeus: Aston Villa 5 x 5 Nottingham Forest.

Foi um retrato, quase poético, da distância que essas duas equipes estão dos seus maiores dias. Porque a partida, embora eletrizante, aconteceu pela segunda divisão inglesa, da qual o Forest é o sexto, e o Villa, o oitavo. Ao mesmo tempo, lembrete cruel de uma época em que era muito maior a rotatividade de equipes capazes de alcançar o topo do pódio da Europa, em contraste com a atualidade, quando um mesmo punhado reduzido de clubes podem almejar essa glória.

O Forest começou arrasador, com dois gols em seis minutos, ambos marcados em rápidos contra-ataques. Lewis Grabban fez o primeiro e João Carvalho, de bico, o segundo. Mas o Villa empatou antes dos 15, com dois tentos de Tammy Abraham. Um de cabeça e outro que na realidade o seu mérito foi ser um corpo sólido: após bate e rebate na área, o zagueiro tentou cortar e acertou Abraham em cheio.

.

.

.

 

Quatro gols em 15 minutos já era uma loucura, mas o primeiro tempo ainda não havia terminado. Aos 22, Matty Cash voltou a colocar o Nottingham Forest em vantagem no placar. Abraham, de pênalti, completou sua tripleta e colocou 3 a 3 no placar, ainda antes do intervalo.

.

 

O segundo tempo foi mais ameno: teve apenas quatro gols. Joe Lolley soltou um míssil da intermediária para fazer 4 a 3 a favor do Nottingham Forest. Logo na sequência, Tobias Figueiredo foi expulso, deixando os visitantes com um a menos.

 

O Aston Villa, então, reagiu. Tammy Abraham fez o seu quarto na partida, de cabeça, e Anwar El Ghazi virou para 5 a 4, com um chute colocado da entrada da área.

.

 

Chega? Que nada. Aos 37 minutos do segundo tempo, Lewis Grabban encontrou um espaço que não existia entre o goleiro e a trave para fechar o jogo mais maluco e emocionante do dia: 5 a 5.