Não faz muito tempo, o mês de junho foi um divisor de águas para Arshavin. Aos 27 anos, ele foi um dos destaques da seleção russa na Eurocopa de 2008. Por volta do dia 30, lambia as feridas da pesada derrota para a Alemanha nas semifinais e atendia ligações de clubes interessados no seu futebol. Oito anos depois, enquanto a bola rola entre as seleções europeias na França, ele disputa a primeira fase preliminar da Liga Europa pelo cazaque Kairat – e fez um gol.

LEIA MAIS: Hulk deixa a Europa sem ter atuado no alto nível que merecia

Arshavin acabou assinando com o Arsenal seis meses depois de brilhar na Euro. Custou € 18 milhões e, na época, foi a contratação mais cara da história do clube londrino. Chegou chegando, com quatro gols naquele empate por 4 a 4 com o Liverpool, mas perdeu espaço com o tempo. Em 2012, já estava de volta ao Zenit, emprestado. Depois, assinou em definitivo e passou duas temporadas sendo mais reserva que titular.

Acertou com o Krasnodar ano passado e mal jogou. Na pausa de inverno, saiu para o Kairat, e enfim se reencontrou com a titularidade. Em 14 partidas pela liga, fez cinco gols para o clube que havia conquistado vaga na Liga Europa ao ser campeão da Copa do Cazaquistão antes de sua chegada.

Nesta quinta-feira, começou jogando contra o Teuta, quarto colocado do último Campeonato Albanês, e marcou este gol aos 25 minutos do segundo tempo, dando a vitória ao Kairat, fora de casa, no jogo de ida da primeira fase preliminar da Liga Europa, em que geralmente atuam o segundo escalão das piores ligas do continente.

Simbólico do quanto as coisas podem mudar em oito anos que esse lance tenha acontecido justamente durante a Eurocopa.