O empurrão de Gelson Martins no árbitro Mikaël Lesage, durante o jogo entre Monaco e Nîmes, custou caro ao jogador português. A comissão de disciplina da Ligue 1 anunciou na noite de quinta-feira (5) a suspensão do atleta por seis meses, encerrando, assim, sua participação no restante da temporada 2019/20.

Durante a derrota por 3 a 1 para o Nîmes em 1º de fevereiro, Gelson Martins foi expulso aos 31 minutos do primeiro tempo por empurrar o árbitro Mikaël Lesage. A dimensão de sua decisão de cabeça quente foi rapidamente compreendida pelo português, que após o jogo publicou uma mensagem para se desculpar por seu comportamento.

“Aqueles que me conhecem sabem que, ao longo da minha carreira, sempre tive como princípio o respeito por todo mundo: colegas, adversários, torcedores e árbitros, dentro de campo e fora dele. Não sou agressivo, jamais fui, com ninguém. Hoje, depois de refletir, estimo que preciso me desculpar por minha atitude irrefletida e de sangue quente. Peço desculpas em especial ao árbitro Mikaël Lesage, mas também aos meus colegas e aos nossos torcedores”, escreveu Martins em sua conta no Instagram à época.

Também na sequência do episódio, o Sindicato dos Árbitros do Futebol de Elite (SAFE) da França publicou um comunicado, condenando o ato de Martins: “As imagens alucinantes parecem vir de uma outra época. Mas, não, elas aconteceram neste sábado: um jogador da Ligue 1 empurrou um árbitro de maneira espetacular durante o jogo entre Nîmes e Monaco! Temos que entender e incorporar de maneira definitiva: não se toca o árbitro! Essa regra dourada do rúgbi deve ser a mesma no futebol, sem discussões”.

A suspensão de Gelson Martins passou a valer desde o dia 6 de fevereiro, data a partir da qual o jogador foi inicialmente suspenso e em que seu caso passou a ser investigado. Apesar de já esperarem uma punição dessa magnitude, o Monaco demonstrou surpresa ao comentar a decisão: “Uma sanção muito pesada. (…) O clube lamenta a duração excessiva dessa suspensão”.

“Embora o clube mais uma vez condene o comportamento injustificável de nosso atacante, lamentamos a duração excessiva dessa suspensão, a um jogador que nunca teve um lapso disciplinar em mais de 200 partidas no mais alto nível.”

Ela, no entanto, segue precedentes da liga francesa. No dia seguinte ao episódio, o jornal L’Équipe elencou incidentes parecidos e suas respectivas punições. Christian Karembeu, em 1993, e Youssouf Hadji, em 2010, receberam os mesmos seis meses de punição, mas as decisões foram amenizadas mais tarde. Após apelação, Karembeu viu sua suspensão cair para três meses, enquanto Hadji teve a sanção anulada quatro meses depois de seu episódio.

Com pouco mais de dois meses restantes na temporada, é muito improvável que Gelson Martins volte a atuar em 2019/20, independentemente de algum sucesso do Monaco em reduzir sua pena. Pela severidade da punição inicial e pela declaração do sindicato de árbitros, o episódio serve como lição para os jogadores no futuro.