Hoje em dia há muito mais preocupação e atenção por parte das empresas a questões relacionadas ao preconceito. Diversas empresas dos mais variados nichos, inclusive, já foram multadas com grandes somas de dinheiro por causa disso. Por esses fatores, e pensando também na imagem que elas têm transmitindo aos usuários e consumidores, as companhias têm lutado ativamente contra o preconceito, além de buscar maior diversidade em seu meio.

A importância da representatividade

O caso mais recente dessas mudanças de comportamento, e que trouxe grande repercussão na mídia pelo tamanho do impacto, foi o da Victoria’s Secret, marca norte-americana de lingerie e produtos de beleza. Conhecida em todo mundo pelo seu desfile anual, disputadíssimo por modelos de vários países, a marca deu um grande passo ao contratar a primeira modelo transgênero para o evento, a brasileira Valentina Sampaio, de 22 anos.

A contratação de Valentina simboliza muito para a marca, que sempre foi criticada pela pouca diversidade e representatividade em seus eventos e editoriais, e por reforçar um padrão de beleza completamente fora da realidade. Além disso, em 2018 também esteve envolvida em declarações polêmicas a respeito do assunto. Sampaio acredita que essa é uma grande oportunidade de quebrar barreiras, além de contribuir para aumentar a representatividade na moda. Para a empresa, essa também é uma oportunidade de mostrar um outro lado, mais inclusivo e acessível.

O caminho da pluralidade em outras empresas

Outras empresas têm seguido o mesmo caminho, em busca de mais diversidade, representatividade e inclusão. É o caso por exemplo da rede de cafés, Starbucks, que tem oferecido treinamentos e orientações aos seus funcionários para combater o preconceito, além de aumentar a contratação focada em diversidade. A empresa já sofreu alguns processos e casos de racismo por parte de seus funcionários, e tem investido muito para alterar o cenário e melhorar sua imagem.

A empresa de tecnologia Atlassian percebeu que o número de mulheres que aplicavam para suas vagas era mínimo e decidiu agir para mudar este cenário. Com uma simples mudança de abordagem e linguagem, em um curto período de tempo já notou-se um aumento nas aplicações de mulheres.

Estes são alguns dos exemplos de empresas que começaram a trilhar um caminho de diversidade. Quanto ao futuro da Victoria’s Secret e mudanças mais radicais, só o tempo poderá dizer. Algumas ações, que são consideradas ultrapassadas e pouco inclusivas têm sido repensadas pela empresa, mas ainda não se sabe ao certo o que virá além. De qualquer forma essas ações são um grande marco e significam muito para a sociedade quando empresas, principalmente de grande porte, relevância, e alcance se posicionam a favor do tema.

No entanto, é extremamente importante que essas questões continuem sendo debatidas em todas as camadas da sociedade, para que as pessoas tenham a noção da importância da pluralidade tanto na convivência social, quanto no ambiente de trabalho. O preconceito ainda é muito forte em diversas áreas e regiões, e precisa ser combatido através de muito diálogo, informação e reflexão.