Quem tem suas reticências quanto ao VAR ganhou um belo motivo para fazer chacota com o sistema neste final de semana. Durante a vitória do Manchester United sobre Huddersfield Town, pela Copa da Inglaterra, um lance revisto pelo árbitro causou risos. Ao final do primeiro tempo, Juan Mata se projetou entre os defensores para anotar aquele que seria o segundo gol dos Red Devils. No entanto, a impressão inicial era de que o meio-campista estava impedido, algo corroborado pela reação dos adversários, que logo pararam com o braço estendido. E o vídeo-árbitro exibido pela transmissão oficial induziu vários pensamentos, mas não tirou a dúvida.

A imagem, afinal, parecia desenhada por uma criança do maternal brincando no paint. Uma linha totalmente torta apareceu na tela, sem sequer seguir o traçado da grande área, dando condições ao espanhol. A arbitragem, por outro lado, anulou o tento – que, na impressão visual, indicava uma milimétrica posição adiantada. Menos mal que os dois gols anotados por Romelu Lukaku evitaram qualquer polêmica mais profunda, com o triunfo por 2 a 0, apesar da inescapável gozação pelo amadorismo.

Horas depois, os responsáveis pelo VAR se manifestaram oficialmente. A empresa Hawk-Eye, provedora do sistema, afirmou que houve um erro na exibição da imagem pela transmissão oficial da BT Sport. Segundo a companhia, uma “questão técnica” levou o gráfico errado às telas de todo o país. Enquanto isso, o sistema interno do VAR mostrou as linhas corretas. A Hawk-Eye também pediu desculpas pelo ocorrido. Ainda assim, nem todos estão convencidos sobre qual seria a melhor decisão quanto ao impedimento de Mata.

Até o momento, o vídeo-árbitro está limitado na Inglaterra às suas duas principais copas. O episódio serve para alimentar o debate quanto à adoção da tecnologia na Premier League. Resta saber se algo tão bisonho irá atrapalhar a aplicação de um recurso que tende a ser benéfico à maioria das partidas.