O Grêmio foi excluído da Copa do Brasil, a garota que foi filmada gritando “macaco” foi em rede nacional pedir desculpas, clubes fizeram campanhas contra o racismo no futebol. Mas ainda há quem não consiga se colocar no lugar de uma vítima de racismo para ter uma ideia do que é ser alvo de preconceito desde criança.

LEIA MAIS: O que se vê no estádio é só a ponta do iceberg de um racismo institucional

Por isso, o vídeo abaixo é importante. O rapper Emicida é santista fanático e, claro, estava vendo Grêmio x Santos pela TV. Nessa ótima entrevista a Maria Carolina Trevisan para o Ponte (canal de informações sobre segurança pública, Justiça e direitos humanos, veja mais aqui), ele conta o que sentiu no momento em que percebeu o que acontecia na partida, e o que é ser vítima de racismo desde sempre.

Você também pode se interessar por isso:

– Em Minas, goleiro é chamado de macaco pela torcida e ainda é expulso
– Por que chamar negro de macaco é racismo?
– Nenhuma punição é exagerada para o racismo, mas o que a exclusão do Grêmio significa?
– Após preconceito sofrido por Aranha, Santos e Grêmio se manifestam contra racismo
– Racismo no futebol: cinco países, e cinco exemplos do que fazer e não fazer