A decisão da Série D teve casa cheia. A Arena da Amazônia estava repleta, com recorde de público, 44.896 pessoas, para acompanhar o jogo entre Manaus e Brusque. O jogo esteve à altura da ocasião, teve emoção e muitos gols. Depois de empate por 2 a 2 no jogo de ida, nova igualdade: 2 a 2 também no Amazonas, com direito a catarinenses saindo na frente, amazonenses virando e empate na reta final. Nos pênaltis, o Brusque conseguiu superar o rival por 6 a 5.

O Brusque abriu o placar logo no começo do jogo, antes dos dois minutos. Bola levantada na área, a defesa bobeou e Júnior Pirambu tocou de calcanhar para marcar 1 a 0. Era preciso reagir e o Manaus não demorou a arrancar o empate. Antes do relógio completar oito minutos, o Manaus igualou o marcador. Spice lançou, Derlan ajeitou e Sávio desviou de cabeça, no canto, para colocar 1 a 1 no placar.

No segundo tempo, o Manaus conseguiu a virada. Aos 13 minutos, Mateus Oliveira aproveitou cobrança de escanteio e, no meio da área, tocou para o fundo da rede, de cabeça. A virada do Manaus deixou o time em uma situação mais confortável, porque o resultado era suficiente para ficar com o título. A torcida já imagina que o título poderia vir, mas o Brusque não desistiu. Aos 36 minutos, Thiago Alagoano empatou o duelo em 2 a 2, repetindo o placar do primeiro jogo. A partida teria que ir para os pênaltis.

Na cobrança de pênaltis, a disputa seguiu equilibradas. As cinco primeiras cobranças de cada lado resultaram em gols. Derlan, Charles, Martony, Thiago Spice e Mateus Oliveira marcaram em suas cobranças pelo Manaus. Thiago Alagoano, Airton, Thiago Henriques, Gama e Vinícios marcaram para o Brusque. Foi então que Márcio Passos chutou por cima pelo Manaus e deu a chance para o Brusque fechar o confronto. O goleiro Zé Caros cobrou e marcou: 6 a 5 para os catarinenses e título na mala para levar ao interior de Santa Catarina e celebrar.

Foi o primeiro título de divisão nacional do Brusque. O Amazonas, que buscava o primeiro título nacional de um clube do Estado, continua esperando. Os dois clubes já tinham garantido o acesso à Série C, assim como Ituano e Jacuipense, os outros semifinalistas.