Acompanhar o ritmo do Manchester City está cada vez mais difícil. O Bournemouth se organizou bem, foi precavido, tentou fazer o arroz com feijão certinho, se defender, tirar os espaços… E não conseguiu. Apesar de ter saído para o intervalo perdendo só por 1 a 0, terminou a partida perdendo por goleada, 4 a 0. Sergio Agüero foi muito bem, com dois gols, e o meio-campista Fernandinho foi enorme. Teve mais uma grande atuação, que justifica os elogios que o técnico Pep Guardiola fez a ele.

O primeiro gol saiu de uma imensa pressão do Manchester City na saída de bola do Bournemouth. A pressão foi enorme, até que houve o erro de passe, o City recuperou a bola e conseguiu encontrar o espaço para marcar 1 a 0, aos 27 minutos, cabeçada de Agüero. O Bournemouth não mudou nada na sua estratégia: fechar os espaços e se segurar para não tomar uma goleada. Funcionou. Até o intervalo.

No começo do segundo tempo, em uma troca de passes pelo meio, Agüero passou para Sterling, com direito a corta-luz de Kevin de Bruyne, e o atacante inglês marcou 2 a 0, aos oito minutos. Aos 34, Bernardo Silva cruzou para a área e Agüero, bem posicionado, marcou de cabeça, ampliando o placar para 3 a 0 e marcando o seu segundo gol no jogo. Já no final do jogo, a conta foi fechada com um passe de Sterling para o lateral brasileiro Danilo – que entrou pela esquerda – marcar 4 a 0, aos 40.

Fernandinho é um jogador que aparece pouco, mas dá muito equilíbrio para o time do Manchester City. No meio-campo, ele coordena a marcação e também a construção de jogadas. Ao lado de David Silva, foi um dos mais importantes nas articulações ofensivas, começando as jogadas e fazendo a bola chegar bem e rápido nos jogadores de frente.

Foi o quarto jogador com mais passes no jogo, sendo que o primeiro foi um zagueiro, Otamendi, o segundo David Silva, o articulador ofensivo do time, e o terceiro Kompany. Os zagueiros costumam ter mais passes no jogo, já que a posse de bola fica muito com o Manchester City e são os únicos jogadores que têm liberdade do adversário.

Em um time que ataca tanto, Fernandinho é o equilíbrio e parece mostrar, com Guardiola especialmente, que é um jogador de qualidade e inteligência com a bola, muito além da marcação. Em um time que precisa de tanta coordenação para não sofrer com o espaço que concede pelo seu tipo de jogo, ter um jogador que preenche todos os buracos do time e sai jogando com uma qualidade enorme é algo crucial. É o papel de Fernandinho.

Na Premier League, o Manchester City de Guardiola vai viajando com tranquilidade, em ritmo de cruzeiro e sem ninguém por perto. São 18 vitórias em 19 jogos, com um empate e nenhuma derrota. Sim, o time completou um turno invicto e com apenas um empate no caminho. Avassalador também porque já fez 60 gols, média superior a três gols por partida. Sofreu apenas 12, média de 0,63 gol sofrido por partida. A não ser que algo completamente inesperado aconteça, a taça da Premier League tem um dono.