O meio-campista Fernando Gago, de 34 anos, é um jogador atormentado por lesões. A mais recente delas aconteceu no final de janeiro, atuando pelo Vélez Sarsfield, seu atual clube. Mais uma vez, ele teve rompimento dos ligamentos cruzados do joelho, o que o deixa afastado até o final de setembro. Mesmo assim, ele continua otimista e quer voltar aos gramados.

“Vou tentar seguir jogando, disse há duas semanas que vou tentar. Em meados de julho e agosto saberei bem o que farei, porque quero ver como estou. Não quero entrar em campo só por entrar. Quero ver como responde meu joelho, creio que vai responder bem, porque as coisas que me aconteceram não foram fáceis, vou fazer todo o esforço que esteja ao meu alcance”, disse o jogador em entrevista ao Fox Sports da Argentina. Ele só tem contrato com o Vélez até o final de junho.

“Uma das grandes coisas que mais me dão forças é entrar em um gramado, jogar futebol, chutar uma bola, estar em um vestiário. Depois, todas as coisas vividas te fazem acreditar e te fazem crescer, ver de outra forma situações que aos 20 anos não vivia assim. Me entristeceu viver situação ruins com lesões, mas não me resta outra coisa a não ser seguir e tenho vontade. Eu quero decidir o dia que eu não tiver mais vontade”, disse o volante.

No último dia 30 de janeiro, em um jogo contra o Aldovisi, sofreu a mais recente lesão, que o afasta por oito meses. Operou há quase três meses e trabalhar para poder voltar ao futebol. “Eu operei no dia 10 de fevereiro e agora continuo com os processos de reabilitação normais. Mas eu preciso esperar um pouco para fazer exercícios, a partir do quarto mês colocar um pouco mais de carga para seguir me recuperando”, afirmou o jogador.

“Assim que aconteceu, me dei conta, e mais, um mês e meio antes, tive uma dor que não foi tão forte como nesse momento, eu fiz um check-up e meu joelho estava perfeito. Quando aconteceu, eu disse ao médico: ‘para mim, rompeu’. Queria tentar mais, mas já sentia que estava instável. Eu percebi imediatamente”, contou o volante.

“Eu busquei o lado positivo na lesão, ver quem está ao seu lado. Me fez bem o golpe de realidade, dizer ‘aqui começamos novamente’. Passa pelas decisões de alguém, tentarei retornar da melhor maneira possível, ou o melhor que já fui. Depende do joelho, da dor, mas a preparação vem deste lado”, disse o jogador, resiliente.

Gago começou a sua carreira no Boca Juniors, em 2004, e mostrou sempre muita qualidade técnica. Era visto como um novo Fernando Redondo. Foi vendido para o Real Madrid em 2007 por € 20,5 milhões (€ 24,7 milhões, com valores corrigidos pela inflação). Jogaria ainda por Roma, Valencia, foi emprestado ao Vélez Sarsfield e voltou definitivamente à América do Sul em 2013 para jogar pelo Boca Juniors, seu time de formaçãoo. Ficou até fevereiro de 2019, quando acabou seu contrato. Fechou com o Vélez em julho de 2019.

Estava no Boca Juniors quando o time chegou à final da Libertadores contra o River Plate, em 2018. Depois de um jogo de ida na Bombonera, o ônibus do Boca Juniors foi atacado quando chegava ao estádio Monumental de Núñez para o jogo de volta. O jogo acabou adiado e acabou jogado no estádio Santiago Bernabéu, em Madri. O River venceu e ficou com o título.

Gago comentou sobre o momento do ataque ao ônibus do Boca. “Foi o mais grave que me aconteceu em questão de segurança em uma equipe de futebol, sem dúvida. Foi uma loucura. Você nunca imagina passar por isso. São situações que devemos aprender como sociedade”, analisou o jogador.

“Somos os últimos a dizer se as coisas estão indo bem no futebol ou não. Acontece muita coisa por temas política ou econômicos. Tudo que estava acontecendo estava errado. Naquele dia, eles queriam nos forçar a jogar. Eu estava pensando: ‘Como eles podem nos fazer jogar uma partida?’ Naquele dia, sofri uma reação alérgica. Eu era alérgico ao que foi jogado em mim, eu inchei. Eles tiveram que me dar corticóides, o que era proibido, mas eu preferi viver e que me desse positivo no antidoping”, relatou ainda o ex-jogador do Boca.

No fim, o jogo não foi disputado naquele dia, mas sim em Madri e o River venceria por 3 a 1 uma final que ficará para sempre na memória, tanto para bem, quanto para mal.