Desde junho de 2019, a Fiorentina atravessa oficialmente uma nova era. Depois de uma temporada difícil, em que a Viola beirou a zona de rebaixamento, a chegada do magnata ítalo-americano Rocco Comisso trazia a promessa de tempos ambiciosos no Estádio Artemio Franchi. O empresário, que também é dono do New York Cosmos, gastou €160 milhões na aquisição do clube italiano e indicava movimentações maiores na janela de transferências. É o que se nota, apesar de certa letargia nas ações. Diante dos reforços que desembarcam na Toscana, um dos mais interessantes vem do Brasil. Após despontar no Fluminense e se firmar como um dos centroavantes mais promissores da América do Sul, Pedro se testará na Serie A.

Segundo o Globo Esporte, a Fiorentina desembolsará €11 milhões para contar com o brasileiro em seu ataque. O Fluminense ficará com €8 milhões e também com 20% dos direitos, enquanto €3 milhões irão para o Artsul, onde o jovem começou sua trajetória. O jogador de 22 anos assinou com os italianos pelas próximas cinco temporadas. A sequência de lesões recente atrapalhou Pedro no Flu e possivelmente afetou o seu preço no mercado, considerando o potencial que já demonstrou. Ainda assim, ele foi aprovado nos exames médicos em Florença e deverá passar por um período de aclimatação até se encaixar na linha de frente da Viola.

Pedro é um jogador com valores que o credenciam ao time, mas que deverá ser aproveitado com calma pela Fiorentina. Os problemas físicos são um porém ao novato, quando aguarda-se uma série mais consistente de jogos. Depois de romper os ligamentos do joelho durante o Brasileirão de 2018, quando vivia o melhor momento da carreira, o centroavante não conseguiu recuperar a melhor forma desde o seu retorno. Disputou apenas 14 partidas em 2019, sofrendo com lesões menores. Ainda assim, conseguiu anotar cinco gols em dez partidas na atual edição da Série A.

O Fluminense sentirá falta de Pedro, sobretudo por aquilo que o garoto representa. João Pedro (ao menos por alguns meses) e Marcos Paulo são os outros nomes que tentam dar conta do recado, ao substituir quem era um exemplo às demais promessas do elenco tricolor. Diante da situação crítica das finanças do clube, o adeus a Pedro era mais questão de “quando”. Acontece em um momento no qual a equipe já havia aprendido a lidar com sua ausência, apesar da evidente diferença que ele proporcionou em alguns jogos deste Brasileirão. Será mais difícil tentar a sobrevivência sem o artilheiro.

Na Fiorentina, a princípio, Pedro terá a concorrência de Kevin-Prince Boateng como homem de referência. O ganês começou a última rodada como titular e anotou seu primeiro gol no movimentado jogo de estreia contra o Napoli. É um jogador mais tarimbado, mas com características diferentes e que também pode se complementar ao brasileiro. Além dele, há também o jovem Dusan Vlahovic, de 19 anos, que deverá ganhar mais minutos após vir do Partizan Belgrado no último ano. O instinto do ex-tricolor dentro da área é apuradíssimo e sua capacidade de definição fala por si. Poderá evoluir contra as defesas firmes do Campeonato Italiano, aprimorando suas virtudes e adicionando outras características ao seu jogo. O ganho dos florentinos é evidente. Não à toa, preferiram abrir mão de Giovanni Simeone, emprestado ao Cagliari.

Ainda que a Fiorentina tenha contratado muitos jogadores, Pedro se torna justamente o reforço mais caro do clube. Apenas ele e o meio-campista Erik Pulgar superaram os €10 milhões. No mais, a “Era Comisso” se iniciou com apostas de baixo custo (a exemplo de Pol Lirola e Aleksa Terzic), bem como medalhões em fim de contrato. O investimento dos violetas será maior com salários para gente do calibre de Boateng, Milan Badelj, Martín Cáceres e a grande estrela da companhia, Franck Ribéry. Vale mencionar ainda o goleiro Bartlomiej Dragowski, que volta de empréstimo após impressionar com o Empoli, e o lateral Dalbert, envolvido na transferência de Cristiano Biraghi à Internazionale. Mesmo com perdas importantes, é um elenco mais completo.

Aprendizado é a palavra de ordem a Pedro neste momento de adaptação. Sem dúvidas, poderá absorver bastante em um país diferente e ao lado de companheiros tão experientes. Há o desafio de superar as desconfianças quanto ao físico, mas talento não falta para o brasileiro triunfar. Nesta etapa de novos ares no Artemio Franchi, ele poderá se firmar como uma face dos desejos da Viola. Ainda é difícil saber qual o patamar do clube, diante de tantas mudanças e dos problemas evidenciados na campanha passada. De qualquer maneira, a trinca ofensiva potencialmente formada por Federico Chiesa, Pedro e Ribéry merecerá atenções ao longo da Serie A. Os torcedores do Flu certamente dedicarão um olhar especial ao prodígio tricolor.