Após uma semana intensa, o Real Madrid ofereceu o devido descanso aos seus protagonistas, classificados na Liga dos Campeões, apesar da derrota no clássico do domingo. Zinedine Zidane poupou a maioria absoluta de seus titulares para a rodada de La Liga nesta quarta. Tudo bem que o desafio não prometia tantos perigos, com a visita ao Deportivo de La Coruña no Estádio Riazor. Ainda assim, os merengues se saíram melhores do que a encomenda. Protagonizaram um chocolate, com os 6 a 2 no placar. Outra vez, contaram com uma senhora exibição de Isco, orquestrando o time durante os 80 minutos que esteve em campo.

Zidane escalou o Real Madrid de maneira bem ofensiva. Apostou em um 4-1-4-1, com Isco e James Rodríguez compondo a dupla de meias centrais, além de Marco Asensio e Lucas Vázquez abertos nas pontas. O que se viu, então, foi um massacre dos visitantes nos 15 minutos iniciais. Neste intervalo, marcaram dois gols e acertaram duas bolas na trave, além de pararem no goleiro Germán Lux. E os armadores já começavam a destoar. Isco deu um belíssimo passe para Morata anotar o primeiro, além de carimbar o poste. Enquanto isso, em jogada iniciada por Mateo Kovacic, outro que viveu excelente noite, James ampliou.

A partir dos 20 minutos, o Deportivo teve mais espaço para atacar. Já do outro lado, de qualquer maneira, Lux se agigantava operando milagres. E o trabalho do goleiro auxiliou sua equipe, com Florian Andone diminuindo a diferença aos 34 minutos. Apesar dos apuros a Kiko Casilla, que também era solicitado em sua meta, os merengues recuperaram a margem antes do intervalo. Após excelente jogada de Isco, o cruzamento de Marcelo não foi afastado totalmente pela defesa e Lucas Vázquez apareceu para concluir.

Como diz o ditado: 3 a 1 vira, 6 a 2 acaba – ou quase isso. O Depor perdeu o ímpeto no segundo tempo e o Real Madrid delineou a goleada com mais um de James, aos 21, aproveitando o passe de Morata. Trabalhando fácil a bola e até abusando das jogadas de efeito, o quinto veio aos 32, com Isco deixando o seu. O Deportivo diminuiria mais uma vez, com Joselu, mas não evitaria o sexto tento merengue. Casemiro, que saiu do banco, arrematou da entrada da área e contou com a colaboração do goleiro Przemyslaw Tyton – que substituíra Lux no intervalo.

Diante de um adversário frágil, a rotação do Real Madrid funcionou muito bem. A voracidade dos reservas, sempre prontos a mostrar serviço, vem valendo bastante a Zidane. E, neste momento, cabe mais uma vez destacar o futebol de Isco. Ainda que não tenha ido tão bem diante do Bayern de Munique no Bernabéu, o meio-campista atravessa excelente momento. Muito se questionou sobre sua possível entrada no clássico, que não aconteceu. Nada que tenha abalado o seu trabalho, voltando faminto ao 11 inicial. Por aquilo que apresenta individualmente e pela maneira como ajuda o coletivo a funcionar, pelos dribles e pelos passes, tende a ser uma peça-chave nesta reta final da temporada, especialmente na ausência do novamente lesionado Gareth Bale.

Afinal, o Real Madrid não pode cochilar. O time segue com um jogo a menos que o Barcelona, mas aparece atrás dos blaugranas no topo da tabela, com o mesmo número de pontos e desvantagem no confronto direto. Necessitam deste tipo de concentração nas cinco partidas restantes, para que não deslizem – e as visitas a Celta e Málaga, assim como o duelo em casa com o Sevilla, inspiram cuidados. Um jogador ligado em alta voltagem, como Isco, é algo que os merengues precisam bastante nestas semanas de definição.