A Roma já atravessou fases difíceis e fracassos imensos nos últimos anos, mas o início da atual temporada tem maltratado o coração de sua torcida de uma maneira particular. Quando os romanistas mais criavam esperanças, após a boa campanha na Champions e a contratação de jovens promessas, as péssimas apresentações do time dilaceram estas expectativas. A semana foi particularmente difícil na capital, após o empate ridiculamente cedido contra o Cagliari e a derrota para o Viktoria Plzen. Como era de se esperar, diferentes protestos ocorreram neste domingo no Estádio Olímpico. Porém, apesar das falhas de Robin Olsen, os giallorossi conseguiram vencer o Genoa. Contaram com a participação decisiva de Justin Kluivert para arrancar o apertado 3 a 2, após os visitantes ficarem em vantagem no placar por duas vezes.

A primeira mostra concreta do descontentamento dos torcedores aconteceu durante o anúncio dos jogadores da Roma no telão do Estádio Olímpico. Exceção feita a Daniele De Rossi e ao garoto Nicolò Zaniolo, absolutamente todos os atletas romanistas foram vaiados, sobretudo o técnico Eusebio Di Francesco. E quando a bola rolou, silêncio. Durante os dez primeiros minutos da partida, os ultras que ficam na curva do estádio fizeram uma greve silenciosa, sinalizando a insatisfação com as atuações recentes.

Para piorar a situação da Roma, Robin Olsen não ajudou nada a equipe no gol que deu a vantagem ao Genoa. O chute de Oscar Hiljemark veio fraco, nas mãos do arqueiro. No entanto, ele deixou o frango passar sob suas pernas e, pior, demorou demais para reagir. Assim, Krzysztof Piatek foi muito mais esperto e completou em cima da linha. A Roma acordou e empatou aos 31. Falta cobrada em direção à área e, após furada de Bryan Cristante no meio do caminho, Federico Fazio emendou às redes. O Grifone retomaria a dianteira dois minutos depois, com Hiljemark aproveitando cobrança de escanteio. Mas ao menos Justin Kluivert evitaria o baque antes do intervalo, com novo empate. Em contragolpe, o holandês arrancou e carregou a bola sem ser alcançado pelos marcadores, até invadir a área e bater cruzado. Foi o primeiro gol do jovem pela Serie A.

A Roma ainda precisou agradecer a existência do VAR. Logo no início do segundo tempo, Olsen falhou novamente, deixando a bola passar em chute fraco de Darko Lazovic. Porém, o árbitro flagrou um impedimento Christian Kouamé no início do lance, com ajuda do vídeo. O alívio dos anfitriões, enfim, aconteceu aos 14 minutos do segundo tempo. Kluivert mais uma vez participou do lance, ao receber um passe por elevação de Cristante e devolvê-lo de imediato, de cabeça. O camisa 4 aproveitou o espaço na entrada da área e, com enorme liberdade, chutou forte para vencer o goleiro Ionut Radu. A virada se consumava. No fim, os dois times tiveram suas oportunidades. Cristante acertou o travessão e o Genoa deu sufoco nos instantes derradeiros, com uma reclamação de pênalti não revista pelo VAR. Apesar de todos os pesares, os giallorossi arrancaram os três pontos.

A Roma fecha a rodada na sexta colocação, com 24 pontos. Ainda pode ver Lazio e Milan, logo à frente na tabela, reabrindo distância. Rendimento baixíssimo a quem precisa de muito mais para lutar por uma vaga na próxima Liga dos Campeões. Já o Genoa, em sequência negativa, ocupa o 14° lugar. Tem 16 pontos, cinco acima da zona de rebaixamento.