A Copa do Mundo de 2010 marca um momento decisivo à carreira de Fábio Coentrão. Não fazia muito tempo que o jovem de 22 anos vinha sendo adaptado como lateral esquerdo, deslanchando no Benfica. Pois ele ganhou espaço nas convocações e logo se tornaria um dos destaques da Seleção das Quinas no Mundial da África do Sul. A partir de então, passou a ser considerando um dos principais jogadores de sua posição, a ponto de ser contratado pelo Real Madrid. A carreira do lusitano não alcançou tudo o que se prometia, isso é fato. Mas não se nega a relevância do ala ao país, presente ainda na Copa de 2014. E quando o momento no Sporting era favorável, botando o veterano na rota da Rússia, ele preferiu renunciar a oportunidade. Pediu ao técnico Fernando Santos para não ser convocado.

A boa fase recente de Fábio Coentrão o tornava uma opção palpável à seleção portuguesa. Alguns problemas físicos atrapalharam convocações recentes, mas ele seguia nos planos de Fernando Santos. Nesta segunda, contudo, publicou um comunicado em suas redes sociais. Na última semana, ligou para o treinador e o informou que preferia não ser chamado. Avaliou que a temporada com o Sporting foi muito desgastante e não estava preparado, fisicamente e psicologicamente, para enfrentar uma Copa do Mundo. Sinceridade rara, que não deixa de ser corajosa, por aquilo que custa.

Muitos podem considerar que Coentrão não seria a opção principal na lateral esquerda da seleção. Raphaël Guerreiro é o dono da posição, embora tenha perdido espaço por conta das contusões. Eliseu foi o seu principal substituto em parte do tempo, mas também perdeu sequência no Benfica. Já nos últimos meses, Mário Rui começou a pedir passagem. Ainda assim, ao menos em uma lista preliminar, era possível que o jogador do Sporting aparecesse.

Sem Coentrão, Fernando Santos anunciou os 35 inicialmente convocados ao Mundial. Guerreiro e Mário Rui estão entre os escolhidos, assim como Antunes, de boa temporada com o Getafe, mas que poucas vezes defendeu a seleção no atual ciclo. Acaba sendo uma das novidades, assim como o próprio Mário Rui, que estreou apenas na Data Fifa passada, levado principalmente pela ascensão com o Napoli.

Considerando os jogadores utilizados ao longo do último ano, as ausências de Pizzi, Renato Sanches e Bruma chamam um pouco mais de atenção, enquanto Danilo Pereira foi desfalque sentido ao se lesionar. No mais, força máxima à Seleção das Quinas, com algumas surpresas. Sergio Oliveira e Rúben Dias aproveitaram o momento de afirmação e pintaram na lista. Paulinho é reconhecido pela ótima fase com o Braga. Já na frente, Rony Lopes ganhou confiança a partir da produtividade no Monaco. No mais, há outros jovens, mas um pouco mais experimentados na equipe nacional, como Gonçalo Guedes, Bruno Fernandes, Rúben Neves, Ricardo Pereira, Gelson Martins, André Silva e João Cancelo.

O desafio a Fernando Santos, no corte rumo aos 23, será encontrar uma mescla. Cristiano Ronaldo continua sendo o protagonista máximo, enquanto outros medalhões mantêm a sua importância.  O ponto primordial será aproveitar a liderança dos veteranos e juntar com tantos bons valores que reivindicam uma chance. Embora tenha chegado ao seu ápice na Euro de 2016, Portugal indica que possui qualidade para amadurecer e continuar com ambições durante os próximos anos. Abaixo, os 35 selecionados pelo treinador:

Goleiro – Anthony Lopes (Lyon), Beto (Goztepe) e Rui Patrício (Sporting)

Defensores – Antunes (Getafe), Bruno Alves (Rangers), Cédric Soares (Southampton), João Cancelo (Inter), José Fonte (Dalian Yifang), Luís Neto (Fenerbahçe), Mário Rui (Napoli), Nélson Semedo (Barcelona), Pepe (Besiktas), Raphael Guerreiro (Borussia Dortmund), Ricardo Pereira (Porto), Rolando (Olympique de Marseille) e Rúben Dias (Benfica)

Meio-campistas – Adrien Silva (Leicester), André Gomes (Barcelona), Bruno Fernandes (Sporting), João Mário (West Ham), João Moutinho (Monaco), Manuel Fernandes (Lokomotiv Moscou), Rúben Neves (Wolverhampton), Sérgio Oliveira (Porto) e William Carvalho (Sporting)

Atacantes – André Silva (Milan), Bernardo Silva (Manchester City), Cristiano Ronaldo (Real Madrid), Éder (Lokomotiv Moscou), Gelson Martins (Sporting), Gonçalo Guedes (Valencia), Nani (Lazio), Paulinho (Braga), Ricardo Quaresma (Besiktas) e Ronny Lopes (Monaco)