Poucos jogadores nos últimos anos usaram a braçadeira de capitão tão naturalmente quanto Vincent Kompany. A liderança do zagueiro se expressou bastante no Manchester City e na seleção da Bélgica. Agora, se repete no Anderlecht. Em meio à crise do coronavírus, os violetas estudam alternativas para aliviar suas finanças e um corte salarial é discutido. Pois o veterano se prontificou a bancar custos, caso os companheiros não aceitem a proposta da diretoria.

A direção do Anderlecht mantém a conversa com o elenco durante os últimos dias e, neste momento, as negociações chegaram a um limite. A princípio, parte dos jogadores aceitaram abrir mão de seus salários voluntariamente para reduzir os custos. No entanto, a proposta apresentada pelo clube incluía outros pontos, como cortar benefícios adicionais e ceder 1/12 das luvas prometidas pelos violetas aos atletas. A partir de então, nem todos concordaram.

Segundo o Het Laatste Nieuws, principal jornal da Antuérpia, os atletas receberam um “pegar ou largar” do Anderlecht. O clube oferece a garantia de que ninguém perderá seu emprego, mas os cortes de €2,7 milhões serão necessários. Diante da falta de concordância entre as duas partes, Kompany entraria como um intermediário, conforme as apurações do periódico.

Se os jogadores não aceitarem os cortes sugeridos pelo Anderlecht, que servirão para cobrir as perdas do clube e os próprios salários dos demais funcionários, Kompany bancará por conta própria o valor referente às luvas de seus companheiros. O zagueiro se comprometeu a manter o planejamento, mesmo se nem todos aceitarem as condições da direção.

De qualquer maneira, apesar da postura de Kompany, há um claro conflito interno. A comunicação do clube apontou como “falta de solidariedade” a recusa de seus atletas, enquanto os jogadores entendem que a direção tenta se apropriar de mais do que era combinado inicialmente. O veterano tentará apaziguar as consequências e evitar que o atrito se torne prejuízo aos violetas. O time já vinha em uma campanha mediana no Campeonato Belga, ocupando a oitava colocação.

Formado pelas categorias de base do Anderlecht, Kompany retornou ao clube após 13 anos atuando no exterior. O zagueiro foi contratado inicialmente para também desempenhar o papel de técnico, mas os maus resultados nas primeiras rodadas do campeonato o levaram a se concentrar apenas nos afazeres em campo. Aos 33 anos, passou a usar a faixa de capitão após sair do comando e é titular no miolo de zaga. A história fala por si.