Fazendo uma temporada espetacular com o Barcelona, disputando todos os títulos possíveis e às vésperas da disputa de mais uma Copa América, o argentino Lionel Messi deu uma longa entrevista à rádio argentina Club Octubre 94.7. Por telefone, o camisa 10 do Barcelona falou por mais de uma hora sobre o futuro, a pressão por não conquistar títulos com a camisa da Argentina e, claro, sobre seu principal rival nas conquistas coletivas e individuais nos últimos anos: Cristiano Ronaldo.

LEIA TAMBÉM: Messi volta à Argentina, mas quem sai feliz é a Venezuela, com uma bela vitória

Perguntado sobre quais jogadores considera estarem entre os melhores do mundo, Messi começou a listar: “Neymar, Mbappé, Hazard, Suárez, Kun”. E Cristiano Ronaldo? “Eu tiro o Cristiano e coloco ele comigo”, disse o jogador para delírio dos radialistas que o entrevistavam. Messi ainda destacou o duelo que os dois melhores jogadores do planeta travavam na Espanha e na Europa. “Era lindo. Foi sofrido ver ele levantar alguns troféus. Era lindo tê-lo na nossa liga, pelo prestígio que ele dava”.

Outro assunto abordado durante a entrevista foi sobre uma possível ida de Messi para o futebol argentino, mais precisamente para o Newell’s Old Boys, clube pelo qual passou na infância. “Adoraria terminar minha carreira no Newell’s, mas não é fácil”, afirmou, destacando que sempre foi um torcedor dos leprosos, ainda que tenha surgido boatos de que fosse um torcedor do River Plate. “Não sei porque dizem que sou do River, sempre fui do Newell’s desde pequeno”.

O argentino também falou sobre um problema físico que tem sofrido nesta temporada, a despeito das atuações brilhantes que tem praticado. “Eu tenho uma pubalgia desde antes de dezembro. Estou treinando pouco. Pubalgia é uma lesão complicada. Estou melhor, mas tenho que me cuidar”, destacou.

Apesar da conversa variada, o assunto que mais tomou tempo da entrevista foi, obviamente, a seleção argentina. O jogador desabafou sobre as críticas que sofre. “Nossa geração de jogadores foi maltratada. Eu quero jogar com a seleção. Muita gente me dizia para não voltar. Família, amigos… meu filho me perguntou: ‘por que te matam na Argentina? Eu demonstro meu carinho pela seleção de outra maneira, e se dizem o contrário, para mim tanto faz, não tenho que demonstrar nada a ninguém”. Messi aproveitou e deixou um recado claro aos críticos. “Quem não me quer, infelizmente, vai ter que me aguentar um pouco mais”, encerrou o camisa 10, que na Copa América a ser disputada no Brasil, a partir do dia 14 de junho, terá mais uma chance para alcançar a glória com a albiceleste.