A Suécia é mais uma classificada às quartas de final da Copa do Mundo. Nesta segunda-feira, as suecas venceram o Canadá por 1 a 0 no Parque dos Príncipes, em Paris, em uma partida truncada. As europeias foram um time melhor, em diversos aspectos, mas o equilíbrio se manteve. O Canadá, porém, se manteve no jogo até o último lance do jogo. Com muito coração, o time brigou até o fim, mas as suecas, com a qualidade de Kosovare Asllani, esteve sempre mais perto da vitória e avança para enfrentar outra seleção de peso na próxima fase, a Alemanha.

Bola de feno

O primeiro tempo do jogo foi tecnicamente muito fraco. Disputado, com dois times bem preparados taticamente e fisicamente, sem dar espaços e sem também nada de criatividade. Por isso, só três chutes na etapa inicial, dois da Suécia e uma do Canadá. Nenhum deles acertou o gol. A marcação prevaleceu e a falta de ideias também.

Rapidez e eficiência

Logo a nove minutos do segundo tempo, a Suécia conseguiu abriu o placar. Em três passes, as suecas estavam no ataque. Asllani recebeu no meio-campo, dominou, avançou e fez o passe para Blackstenius, na diagonal. A camisa 11 tocou de leve e venceu a marcação e a goleira: Suécia 1 a 0, finalmente dando alguma emoção ao jogo.

Bola para o Canadá

Atrás no placar, o Canadá precisava fazer algo. E teve a bola, passou a avançar no gramado, buscando conquistar mais território. Mas a Suécia demonstrou ser um time melhor. Defensivamente bem postado, deixou o Canadá trabalhar a bola e foi sempre mais perigosa quando retomava. Mas ao menos o Canadá tentou chutar mais vezes a gol – foram 11, no total, com só um deles no gol. O Canadá teve 59% de posse de bola, mas sempre pouco eficiente.

Pênalti para o Canadá

Aos 23 minutos, o Canadá conseguiu uma enorme chance de gol. Chute que bateu no braço de Asllani, que estava com eles abertos. Depois de revisão indicada pelo VAR, a arbitragem apontou a marca da cal. Curiosamente, quem cobrou não foi a capitã e atacante Christine Sinclair. Foi a meia Janine Beckie. Ela cobrou no canto e a goleira sueca Hedvig Lindahl foi buscar, no cantinho, e defendeu.

Pênalti (anulado) para a Suécia

Em um lance pela direita, a Suécia levou muito perigo com um ataque da direita com Blackstenius, que cruzou para a área, Asllani tentou finalizar, mas foi travada por Buchanan. Na sequência, a árbitra marcou pênalti de Lawrence em Rolfö. Poderia ser o tiro de misericórdia no Canadá. Mas não foi: após revisão do VAR, foi marcado impedimento de Blackstenius na direita, na hora que ela recebeu a bola. Nada de pênalti, portanto.

Canadá no sufoco

Os minutos finais do jogo trouxeram a emoção que faltou na maior parte dos minutos. O Canadá, com a bola, foi tentando sufocar. Sem conseguir entrar na área e na defesa da Suécia, o Canadá foi tentando como podia, como ter 24 cruzamentos ao longo do jogo (só dois deles certos).

No contra-ataque, a Suécia conseguiu levar perigo e quase marcou outro com Asllani. Mas o Canadá foi tentando até o final, pressionou, sem muita eficácia. Talvez tenham sido os últimos minutos de Christine Sinclair em uma Copa do Mundo. A atacante canadense, com 182 gols, é uma das maiores artilheiras de seleções em todos os tempos. Mas não foi deu para o Canadá, mesmo com uma cobrança de falta e um escanteio nos segundos finais. A Suécia é quem avança para as quartas de final.

Próximo duelo

Teremos um duelo europeu nas quartas de final. A Suécia, uma antiga potência do futebol feminino, enfrentará a Alemanha, no próximo sábado, às 13h30 (horário de Brasília).

Ficha técnica

Suécia 1×0 Canadá

Local: Parque dos Príncipes, em Paris
Árbitra: Jatherine Margaret Jacewicz (Austrália)
Gols: Stina Blackstenius aos 10’/2T (Suécia)
Cartões amarelos: Fridolina Rolfö, Kosovare Asllani (Suécia), Kadeisha Buchanan (Canadá)

Suécia: Hedvig Lindah; Janna Glas, Nilla Fischer, Linda Sembrant e Magdalena Eriksson; Elin Rubensson (Nathalie Bjorn) e Caroline Seger; Sofia Jakobsson, Kosovare Asllani e Fridolina Rolfö (Lina Hurtig); Stina Blackstenius (Anna Anvegard). Técnico: Peter Gerhardsson

Canadá: Stephanie Labbe; Ashley Lawrence, Kadeisha Buchanan, Shelina Zadorsky e Allysha Chapman (Jayde Riviere); Nichelle Prince (Adriana Leon), Desiree Scott, Sophie Schmidt e Janine Beckie (Rebecca Quinn); Jessie Fleming e Christine Sinclair. Técnico: Kenneth Heiner-Moller