Dries Mertens constrói uma história singular no Napoli. Quando estes anos de grandes campanhas dos celestes forem lembrados, o nome do belga será inescapável. Chegou ao clube como um ponta veloz em 2013 e transformou em um centroavante goleador. Quem sabe, poderá se tornar até mesmo no maior artilheiro da história dos partenopei. Um indício desta façanha veio nesta quarta-feira, quando o camisa 14 comandou a importante vitória por 3 a 1 sobre o Estrela Vermelha, pela Liga dos Campeões. O matador balançou as redes duas vezes e atingiu a marca de 100 gols com a camisa napolitana. Aproxima-se de lendas e mira o topo da lista.

Mertens sempre contribuiu bastante ofensivamente, mesmo em seus tempos de Utrecht e PSV. Da mesma forma anotava os seus gols jogando pelos lados do campo, com 13 tentos logo na primeira temporada no San Paolo. Mas a grande metamorfose aconteceu sob as ordens de Maurizio Sarri, que aproveitou o máximo potencial do atacante ao centralizá-lo. Nas últimas duas temporadas e meia, o belga acumula 53 gols apenas na Serie A. Eficiência que o tornou o sexto jogador na história do Napoli a atingir a marca centenária, após 247 jogos.

 

Em sua sexta temporada no sul da Itália, Mertens ultrapassou lendas do clube, incluindo Altafini Mazzola (97 gols), Careca (96) e Higuaín (91). À sua frente, apenas Antonio Vojak (103), Edinson Cavani (104), Attila Sallustro (108), Diego Maradona (115) e Marek Hamsik (121). O eslovaco, aliás, é o maior goleador celeste em todos os tempos. Chegou aos 121 tentos também nesta quarta-feira de Liga dos Campeões. O belga possui uma média quase duas vezes maior que o companheiro, ainda que inferior aos demais antepassados.

Depois de quase anotar um golaço de calcanhar, Mertens ajudou Hamsik a inaugurar o marcador. Em cobrança de escanteio, o meio-campista apareceu na pequena área para concluir, aos 11 minutos. Mertens aumentou aos 33, em bom avanço dos celestes, em que a bola sobrou para o artilheiro arrematar com o estilo. E o terceiro viria no segundo tempo, num lançamento de Hamsik, que o belga dominou e avançou, antes de encher o pé para estufar as redes. Este foi o seu 100°. O Estrela Vermelha fez o de honra cinco minutos depois, com El Fardou Ben Nabouhane. Mas a reação pararia por aí, consumando a eliminação dos sérvios na competição.

Depois do tropeço no Marakana, o Napoli precisava da vitória nesta quarta no San Paolo. E o resultado ajuda a deixar o Grupo C da Champions indefinido. Os napolitanos lideram a chave com nove pontos, um a mais que o Paris Saint-Germain e três a mais que o Liverpool. Na rodada final, precisam de um empate para se confirmar nos mata-matas, mas pegam os Reds em Anfield. Caso sejam derrotados, ainda podem se classificar, mas desde que o PSG perca ou que sua derrota seja com um gol de diferença e ao menos um tento anotado fora de casa. Se os parisienses empatarem e os ingleses vencerem, entram as combinações para a igualdade tripla na tabela.


Os comentários estão desativados.