Na última vez que o Urawa Red Diamonds participou do Mundial de Clubes, dois brasileiros estavam entre os protagonistas. O zagueiro Tulio Tanaka, nascido no interior de São Paulo e formado como jogador no Japão, estava na defesa. No ataque, o artilheiro do time era Washington, que ganhou o apelido no Brasil de Coração Valente, por superar o problema cardíaco. Aquele time conquistou a Liga dos Campeões da Ásia e levou o time a participar do Mundial de Clubes. E fez um grande papel.

LEIA TAMBÉM: A longevidade corre nas veias dos goleiros do Pachuca: Pérez deve quebrar recorde no Mundial

Naquele ano, o Urawa Reds tinha também no seu elenco o zagueiro Nenê, ex-Corinthians, e o meia Robson Ponte, ex-Guarani. No meio-campo, o time também tinha um jogador que faria carreira na Europa e seleção japonesa, Makoto Hasebe. E, curiosamente, um jogador daquele elenco está novamente no time, depois de sair e voltar: Yuki Abe, na época com 25 anos e que atuava no meio-campo, e agora um veterano, que é capitão do time e joga na zaga.

Aquele Mundial contava com o Milan, campeão da Champions League e com o jogador eleito o melhor do mundo naquele ano, Kaká. Era um time estelar. Comandado por Carlo Ancelotti, o time ainda contava com o goleiro Dida, o lateral Cafu, o zagueiro Paolo Maldini, o volante Emerson e nomes muito conhecidos do clube, como Gennaro Gattuso, Filippo Inzaghi, Clarence Seedorf, Alessandro Nesta e Andrea Pirlo.

Era justamente o Milan que estaria no caminho do Urawa Reds. Mas, primeiro, o time precisava vencer o Sepahan, do Irã. O clube iraniano foi vice-campeão da Liga dos Campeões da Ásia. Isso porque o país-sede era o Japão e, como o campeão asiático foi japonês, em vez do campeão da liga do país, foi o vice continental. É, coisas da Fifa.

O Sepahan entrou na fase preliminar e jogou contra o Waitakere United, campeão da Oceania. Sim, naquele ano não foi o Auckland City, recordista de participações no torneio pela ampla dominação que exerce no futebol da Oceania. Desta vez, foi o seu rival. O Sepahan venceu por 3 a 1 e se classificou para jogar a fase seguinte.

Nas quartas de final, então, tivemos a repetição da final asiática. O Urawa Reds venceu com tranquilidade o jogo por 3 a 1, contando com gol inclusive de Washington. O desafio mesmo estaria a seguir, com o poderoso Milan.

E é justamente neste jogo que os japoneses mais lamentam. A sua atuação foi acima do esperado pelo Milan, que sofreu para vencer por 1 a 0. O gol foi marcado por Clarence Seedorf, em uma jogada de Kaká, com suas tradicionais arrancadas. Mas o jogo foi muito duro e os relatos da época mostram isso.

“Uma assistência do Bola de Ouro, um gol de Seedorf e o Milan está na final. No domingo, o desafio é contra o Boca Juniors quando será disputado o título mundial. Tudo como esperado, mas os rossoneri sofreram para dobrar a resistência dos japoneses. O gol foi apenas aos 23 minutos do segundo tempo, em uma grande jogada de Kaká e Seedorf, os dois grandes protagonistas do jogo em Yokohama, os dois jogadores mais importantes deste Milan”, relatou o jornal La Repubblica.

Tulio Tanaka teve uma atuação das melhores para tentar parar aquele Milan tão bom.

A derrota foi triste, mas o time não se deixou abater. Foi para a disputa do terceiro lugar contra o Étoile du Sahel, em Yokohama. O jogo foi bastante movimentado, com quatro gols e um empate por 2 a 2, com direito asa dois gols de Washington. O brasileiro, aliás, acabaria aquele torneio como artilheiro, com três gols.

Outra curiosidade da edição de 2007 é que ela também contava com o Pachuca, do México, que volta ao torneio justamente neste ano de 2017, depois de novamente vencer a Concachampions. A coincidência não é das mais felizes para os mexicanos, que daquela vez perderam nas quartas de final para o campeão africano, Étoile du Sahel, da Tunísia, por 1 a 0.

Nas quartas de final, os africanos enfrentaram – e perderam – do Boca Juniors, campeão da Libertadores. A final daquela edição foi o tradicional duelo Europa x América do Sul. E foi um duelo bem aberto: o clube italiano venceu por 4 a 2, ficando com o título mundial.

Passados 10 anos daquele Mundial, Tulio Tanaka ainda está na ativa. Aos 36 anos, joga pelo Kyoto Sanga, da J-League 2, a segunda divisão japonesa. E o mais surpreendente é que virou atacante, e dos mais artilheiros. Em 31 jogos na temporada, marcou 15 gols. Tanaka defendeu a seleção japonesa e teve ótimos momentos atuando no Japão, ainda com bastante moral por lá.

Washington, atualmente com 42 anos, teve muitos bons momentos depois daquele Mundial de Clubes. Jogou pelo Fluminense na grande campanha do time na Libertadores de 2008, quando foi até a final e acabou derrotado pela LDU. Depois, passou pelo São Paulo e voltou ao Fluminense, onde encerrou a carreira em 2011.

Para o Urawa Reds, fica a lembrança de ter complicado bastante a vida do então poderoso Milan. Mais até que o Boca Juniors, ainda que seja uma comparação injusta, já que o próprio Milan teve postura diferente nos dois jogos. Mesmo assim, é um torneio que certamente entrou no imaginário dos torcedores do Urawa Reds, assim como de Washington.