Em 2004, Bernabéu sofreu ameaça de bomba e precisou ser evacuado em meio a jogo do Real

Incidente aconteceu durante os minutos finais de jogo pelo Espanhol, embora o alarme sobre a bomba do ETA fosse falso

Os torcedores que foram ao Stade de France para ver o amistoso entre França e Alemanha viveram cenas de medo nesta sexta. Durante o primeiro tempo, uma cervejaria nos arredores do estádio foi alvo de duas explosões – e, segundo as informações iniciais, teriam deixado três mortos. Após o apito final, os presentes foram aconselhados a permanecer nas arquibancadas e até a entrar no campo, por questões de segurança. Só depois de mais de meia hora que os espectadores puderam evacuar o local.

VEJA TAMBÉM: Stade de France virou refúgio dos torcedores em noite de terror em Paris

A cena de terror, entretanto, não é inédita no futebol europeu. Em dezembro de 2004, o Estádio Santiago Bernabéu sofreu ameaça parecida durante jogo do Campeonato Espanhol, embora ninguém tenha se ferido. A partida entre Real Madrid e Real Sociedad foi interrompida a dois minutos do fim, para que as arquibancadas pudessem ser evacuadas. Do lado de fora do estádio, no entanto, o esquadrão antebombas não descobriu nenhum artefato. Ao todo, 75 mil torcedores estavam presentes naquele jogo.

As imagens no Bernabéu são marcantes. O quarto árbitro entra em campo para avisar o juiz principal, que imediatamente aconselha os jogadores a deixar o campo. Além disso, os torcedores também foram removidos rapidamente, ordenados pelas mensagens nos autofalantes – que, no entanto, não especificavam os motivos da evacuação. Parte deles é aconselhada a atravessar o gramado, para facilitar o esvaziamento do estádio. Em 15 minutos, o Bernabéu já estava vazio.

Posteriormente, o movimento independentista basco ETA foi identificado como responsável pela ameaça. Os terroristas enviaram um comunicado para a imprensa do País Basco, afirmando que a bomba explodiria quando o jogo já tivesse sido encerrado e o estádio estivesse vazio.

Em março daquele ano, a Espanha sofrera o maior atentado de sua história. Os ataques orquestrados pela Al Qaeda no metrô de Madri deixaram 193 mortos e 1858 feridos. Além disso, o próprio Bernabéu já tinha sido alvo de um atentado a bomba do ETA em maio de 2002. Quatro horas antes do clássico entre Real Madrid e Barcelona, um carro bomba com 20 quilos de dinamite explodiu nos arredores do estádio. Ao todo, 17 pessoas sofreram ferimentos leves com o ataque. Apesar do terrorismo, a partida aconteceu normalmente.

Já o duelo entre Real Madrid e Real Sociedad foi retomado em janeiro de 2005. A partida estava empatada em 1 a 1 no momento da interrupção: Ronaldo abriu o placar para os merengues, enquanto Nihat empatou para os bascos. Já no reinício, mesmo com apenas seis minutos restantes, os madridistas conseguiram buscar a vitória. A partir de um pênalti sofrido por Ronaldo, Zidane definiu o placar em 2 a 1. Também estavam em campo na ocasião Casillas, Roberto Carlos, Figo, Beckham, Raúl e Kovacevic, enquanto Vanderlei Luxemburgo fazia na ocasião sua estreia no comando do Real.