Poucas vezes na temporada do futebol brasileiro as traves estiveram tão bem protegidas quanto nesta quarta, no Alfredo Jaconi. Juventude e Atlético Mineiro se enfrentavam por uma vaga na semifinal da Copa do Brasil, mas parecia até mesmo um duelo particular entre Elias e Victor. Durante o tempo em que a bola rolou, o novato gaúcho se deu melhor. Realizou três defesas espetaculares e o Ju venceu por 1 a 0, dando o troco pela derrota na partida de ida. Decisão levada aos pênaltis, onde brilhou o santo atleticano. São Victor ofereceu ainda mais motivos para a beatificação da massa, ao pegar duas cobranças e colocar o Galo na próxima fase, diante do Internacional.

VEJA TAMBÉM: A personalidade de Elias fez a diferença no acesso e também na hora da entrevista

O Juventude precisou de apenas alguns segundos para repetir o placar de Belo Horizonte. Pará cruzou da esquerda e Hugo Almeida, livre de marcação, desviou de cabeça para o cantinho, sem chance de defesa para Victor. A sequência da partida no Alfredo Jaconi foi bastante aberta. Os gaúchos ameaçavam, enquanto faltava consistência ao meio-campo do Galo, concentrando seu jogo pelas pontas. Assim, os atleticanos conseguiam criar as oportunidades mais claras. Só não marcaram por conta da atuação inspirada de Elias. O jovem de 21 anos realizou o seu primeiro milagre aos 11 minutos, evitando o tento de Júnior Urso, desviando a cabeçada em seu contrapé.

Aos poucos, o Galo dominou as ações. Mas não estava livre dos perigos, e também dependeu de Victor, em boa defesa contra Roberson. Pouco depois, os alviverdes tiveram um gol anulado aos 35, em impedimento difícil de ser assinalado. Já antes do intervalo, Elias chegou a ter seu nome gritado pelas arquibancadas. Foi quando realizou sua defesa mais impressionante. Após cruzamento de Robinho pela esquerda, Lucas Pratto desviou à queima-roupa. Pois o jovem goleiro teve tempo de reação para desviar, segurando a vitória parcial no fim do primeiro tempo.

O jogo esfriou um pouco a partir da segunda etapa. O Atlético começou com mais controle da bola, mas era pouco produtivo no ataque. Pior, as bolas perdidas expunham demais os mineiros aos contragolpes do Juventude, que parecia mais próximo do segundo gol. Só depois dos 20 minutos é que o Galo conseguiu realmente se impor. Pratto tentava chamar a responsabilidade, enquanto Clayton e Cazares saíram do banco para aumentar a ofensividade.

Por fim, o drama se escancarou quando o relógio apontava para os cinco minutos finais. Victor deu uma mostra de seu heroísmo ao espalmar o chute colocado de Sananduva. Do outro lado, porém, a resposta de Elias foi ainda mais brilhante. De frente para o gol, Clayton bateu e o goleiro desviou com a perna, em outro lance de puro reflexo. A noite estava mesmo fadada aos pênaltis.

Já na marca da cal, prevaleceu a santidade de Victor. Elias não conseguiu fazer uma defesa sequer, diante de Fábio Santos, Pratto, Gabriel e Cazares. Enquanto isso, o santo atleticano até encaixou a cobrança de Wallacer, antes de terminar o seu serviço parando Roberson. Na saída de campo, em entrevista ao Fox Sports, os dois adversários deram uma bela mostra de respeito. O veterano chamou o novato de “monstro” e disse que logo o espera em um dos clubes de elite do Brasil. Em resposta, o gaúcho agradeceu os elogios e apontou o paulista como o melhor goleiro brasileiro da atualidade.

Na sequência da competição, o Atlético Mineiro desponta como favorito diante do Inter. Pelo momento, não exatamente por aquilo que apresentou diante do Juventude nesta quarta. Elias, é claro, foi decisivo para que a classificação não saísse no tempo regulamentar. Mas a imposição do time de Marcelo Oliveira ficou aquém do esperado, isso sem contar a permissividade na defesa. Para alívio dos atleticanos, tudo isso fica para trás nas semifinais. A expectativa pela reconquista da Copa do Brasil permanece.