Se Tite não aproveitará a Data Fifa para observar novos jogadores na seleção brasileira, se fechando ao redor de seu grupo, a mesma postura não é compartilhada por outros treinadores que se preparam à Copa do Mundo. Não dá para dizer que as listas das seleções já garantidas no Mundial de 2018 estão assim tão repletas de apostas. Entretanto, há várias novidades pontuais, que merecem também a atenção de acompanha as equipes nacionais. Abaixo, listamos alguns desses talentos que buscam sua afirmação. Foram escolhidos apenas atletas de equipes que já carimbaram seus passaportes. Confira:

Espanha: Luis Alberto e Suso

O retorno de Alberto Moreno, do Liverpool, após longo inverno, é o mais comentado pela imprensa inglesa. Entretanto, vale destacar como Julen Lopetegui voltou os seus olhares para o que vem acontecendo na Itália. E no caso de Suso, até com certo atraso. O ponta brilhando no Milan não é de hoje. Até pintou na Data Fifa de setembro, mas ficou no banco – mesmo contra Liechtenstein. Agora, provavelmente vai ganhar alguns minutos em campo. É outro que trabalhou com Lopetegui nas seleções de base e, aos 23 anos, tem potencial para se afirmar como alternativa. Luis Alberto, por sua vez, cumpre uma trajetória errante. Começou no Sevilla, passou pelo Barcelona B e não vingou no Liverpool, rodando por Deportivo e Málaga. Contratado pela Lazio, enfim, emenda uma boa sequência, produzindo bastante como segundo atacante, no apoio a Ciro Immobile. Aos 25 anos, ocupa um setor aberto da Roja. Também esteve algumas vezes nas listas de Lopetegui na base.

Inglaterra: Tammy Abraham e Ruben Loftus-Cheek

Gareth Southgate vem dando suas injeções de juventude à seleção inglesa. E aproveita os produtos da base do Chelsea que acabam desabrochando em equipes menores, emprestados. Tammy Abraham desponta no Swansea, depois de ser artilheiro do Bristol City na Championship. Dono de ótimo porte físico e rodado nas seleções de base, o centroavante era sondado para defender a seleção nigeriana. Para não correr o risco de repetir Wilfred Zaha, a Inglaterra se antecipou. Loftus-Cheek, por sua vez, fez mais nome nas seleções de base do que nos clubes. Meio-campista que combina força e mobilidade, nunca teve grande espaço em Stamford Bridge, e agora defende o Crystal Palace. Vai para que o técnico analise suas possibilidades. Na nova geração, vale mencionar também a primeira chance de Joe Gómez, defensor do Liverpool, e quem sabe a afirmação de Harry Winks, em excelente momento no Tottenham, mas que já estreou pelos Three Lions.

Sérvia: Sergej Milinkovic-Savic

Considerando a qualidade de Milinkovic-Savic na Lazio, era até estranho não ver o nome do meio-campista nas convocações da Sérvia. Houve um atrito com o antigo treinador da equipe nacional, Slavoljub Muslin, e o jovem não figurou nas convocações por anos. Com a demissão do comandante que levou os sérvios ao Mundial, o biancoceleste retorna logo na primeira lista, podendo fazer sua estreia. Foi importante na conquista do Mundial Sub-20 com a equipe nacional, em 2015, recebendo inclusive a Bola de Bronze do torneio. É um jogador técnico, mas de muita presença física. Tem tudo para formar uma ótima parceria com os outros jogadores do setor, sobretudo Nemanja Matic. A chance praticamente escancara as portas da Copa de 2018 ao prodígio de 22 anos.

Portugal: Rony Lopes e Bruma

A seleção portuguesa deixou de fora vários medalhões para os seus amistosos contra Arábia Saudita e Estados Unidos. Assim, Fernando Santos preencheu os lugares na lista com muitos novatos. O número de jogadores que ainda não estrearam pela seleção principal é alto – Jorge Sá, Edgar Ié, Kevin Rodrigues, Ricardo Ferreira, Bruno Fernandes. Individualmente, os dois nomes que mais chamam atenção aparecem no ataque. Bruma arrebentou no último Campeonato Europeu Sub-21, e também vem fazendo boas partidas pelo RB Leipzig. Já tinha sido convocado pela seleção principal, mas agora pode efetivamente fincar o pé. Talvez a posição mais concorrida seja justamente a sua, nas pontas, mas sempre há espaço ao talento. E na mesma situação aparece Rony Lopes. Paraense de nascimento, mas filho de mãe angolana, mudou-se a Portugal quando tinha quatro anos e passou por diferentes níveis nas seleções de base. Agora, o bom momento no Monaco coloca o meia em evidência.

Alemanha: Marcel Halstenberg

Joachim Löw fez como Tite e evitou grandes testes nesta Data Fifa. Há suas apostas, sobretudo com o retorno de veteranos há tempos fora das convocações. Mario Götze não vem jogando tão bem assim em seu retorno após problemas metabólicos no Borussia Dortmund, mas foi chamado. Além dele, outro que passou meses no departamento médico e reaparece é Ilkay Gündogan, compartilhando o bom momento do Manchester City, mas sem ser exatamente preponderante no time de Guardiola, quase sempre entrando no segundo tempo. Novidade mesmo está na defesa, com a aparição surpreendente de Marcel Halstenberg. O lateral esquerdo ganha a oportunidade de ser observado em uma das posições mais carentes do Nationalelf. Revelado pelo Hannover 96 e com passagem pelo segundo quadro do Borussia Dortmund, ascendeu no St. Pauli, até ser contratado pelo RB Leipzig nesta temporada. E o começo impactante do rapaz de 26 anos nos Touros Vermelhos já valeu a confiança de Löw.

França: Benjamin Pavard e Steven N’Zonzi

Didier Deschamps preferiu abrir seu leque de opções, observando novamente alguns nomes. Anthony Martial merecia uma nova chance por tudo aquilo que vem apresentando no Manchester United, assim como Nabil Fekir, assumindo o protagonismo que se espera no Lyon. A concorrência no ataque não é das mais simples, mas ambos podem se firmar. Já nos outros setores, alguns novatos. É até estranho pensar que N’Zonzi nunca tinha sido chamado, pelo bom futebol que apresenta no Sevilla desde 2015. Enfim, o meio-campista de 28 anos é reconhecido, depois de ter sido sondado em outros tempos para defender República Democrática do Congo e Inglaterra. Já na defesa, a aposta fica por conta de Benjamin Pavard, contratado pelo Stuttgart nesta temporada, após deixar o Lille. O zagueiro de 21 anos é um dos melhores de sua posição na Bundesliga e briga por vaga em setor em renovação. Presnel Kimpembe, do Paris Saint-Germain, volta à convocação. Tinha figurado em outras listas anteriores, mas permanecendo no banco durante as Eliminatórias. Deve estrear.

Argentina: Cristian Pavón e Diego Perotti

Se há uma virtude de Jorge Sampaoli neste início de trabalho com a Albiceleste, é a maneira como mostra não ter amarras em suas convocações. O comandante já chamou jogadores que pareciam descartados à seleção, novatos e destaques limitados à liga local. Para os amistosos contra Nigéria e Rússia, há mesmo a volta de Fernando Belluschi, meia de 34 anos que lidera o San Lorenzo e não entra em campo pela equipe nacional desde 2011. De qualquer maneira, se a convocação do veterano à Copa parece improvável, há outros que cavam o seu espaço. Diego Perotti foi convocado a primeira vez ainda por Maradona, em 2009, quando começava no Sevilla. Desde então, fez apenas mais um jogo em 2011, a despeito dos bons momentos com os andaluzes, bem como no Genoa e na Roma. Brilhando com os giallorossi, o ponta de 29 anos retorna. E também no setor ofensivo, a confiança vai para Cristian Pavón. O prodígio de 21 anos se destaca pelo Boca Juniors não é de hoje, dono de muita incisividade. Esteve nos Jogos Olímpicos, mas agora poderá estrear pela seleção principal.

Uruguai: Gastón Pereiro e Maxi Gómez

Não são jogadores inéditos na convocação, mas que poderão atuar pela primeira vez com Óscar Tabárez. E realmente merecem uma chance, até pelo processo de renovação da seleção uruguaia. Gastón Pereiro, velho conhecido das seleções de base, vem assumindo o protagonismo no PSV. Ganhou o prêmio de melhor jogador do Campeonato Holandês em outubro, acompanhando o parceiro Hirving Lozano, vencedor em setembro. A despeito de ser um jogador forte fisicamente, o o prodígio de 22 anos esbanja qualidade técnica, como ponta ou meia central. Terá a companhia de Maxi Gómez no ataque. Destaque no último Torneio Apertura do Campeonato Uruguaio, liderando o título do Defensor, o centroavante não teve problemas para se adaptar no Celta. Anotou seis gols em nove rodadas do Campeonato Espanhol, atuando como homem de referência dos galegos. Pode ser uma boa alternativa a Luis Suárez e Edinson Cavani, sobretudo no longo prazo, considerando que tem apenas 21 anos.

Colômbia: Jefferson Lerma

Depois da suada classificação à Copa, José Pekerman terá um pouco mais de respiro contra China e Coreia do Sul. Por isso mesmo, Jefferson Lerma aparece pela primeira vez nas convocações. Revelado pelo Atlético Huila, o volante foi ainda cedo à Espanha, descoberto pelo Levante. Era um dos pilares na campanha de acesso à primeira divisão espanhola e disputou os Jogos Olímpicos. Agora, faz parte do bom início dos valencianos no retorno à elite. Aos 23 anos, tem a chance de mostrar serviço. Mais à frente, há a aposta em Avilés Hurtado, atacante de 30 anos, que rodou por grandes clubes locais e agora vive fase goleadora com o Monterrey. Vale ficar de olho também na afirmação de outros atletas, como Mateus Uribe, William Tesillo e (sobretudo) Duván Zapata – este, em ótimo momento com a Sampdoria na Serie A.


Os comentários estão desativados.